Notícias
Cultivo de Peixes
Mercado
24 de Janeiro de 2023 Nicanor María Sánchez
PeixeBR espera mais consumo interno e crescimento no mercado internacional em 2023

 

 

Abertura de mercado para o filé congelado e a tilápia inteira congelada impulsionam exportação de produtos da piscicultura brasileira em 2022. Com o aquecimento da produção e aumento na competitividade do peixe em relação às outras proteínas, o consumo per capita anual deve passar dos 10 quilos

Impactado pelo aumento dos preços dos insumos e pelo baixo poder aquisitivo dos consumidores, o setor de piscicultura apresentou crescimento estável em 2022 em comparação ao ano anterior. “A solução para isso é o produtor reduzir custos na produção e oferecer produtos de menor processamento para o consumidor final”, expõe o presidente da Associação Brasileira da Piscicultura (PeixeBR), Francisco Medeiros, em entrevista ao Jornal O Presente Rural em meados de dezembro.

As exportações em 2022 cresceram mais de 50% em relação a 2021, que já haviam crescido 78% quando comparado a 2020. Um dos principais fatores para explicar esse crescimento foi a abertura de mercado para o filé congelado e a tilápia inteira congelada, que hoje respondem pelos principais produtos da exportação brasileira.

O mês de julho registrou US$ 2 milhões em receita, o maior valor exportado, enquanto agosto teve o menor valor (US$ 1,038 milhão), seguido de uma recuperação em setembro, quando atingiu US$ 1,490 milhão em produtos embarcados. “Entre os principais produtos exportados em 2022, a tilápia representou 88% do volume embarcado, seguido do tambaqui”, menciona Medeiros.

Apesar de manter a liderança entre as espécies exportadas no terceiro trimestre do ano passado, com uma receita de US$ 4,5 milhões, a tilápia apresentou queda de 36% frente ao trimestre anterior. Os embarques do tambaqui, segunda espécie mais exportada, seguiu o mesmo caminho, recuando 43%, totalizando uma receita modesta de US$ 21 mil no terceiro trimestre.

Diante deste cenário, as exportações apresentaram um recuo de 17% no faturamento do terceiro trimestre de 2022 em relação ao mesmo período de 2021, atingindo US$ 4,6 milhões. Segundo Medeiros, essa queda se deve, entre outros fatores, pela menor oferta de tilápia no mercado interno, o que reduziu a disponibilidade do produto para exportação. Entretanto, o acumulado do ano é 49% superior ao registrado no mesmo período do ano anterior.

Após o primeiro semestre de forte alta, os filés frescos e filés congelados apresentaram queda de 48 e 49%, respectivamente, nos embarques feitos no terceiro trimestre, quando comparado com igual período de 2021. Contudo, a categoria mais exportada foi a de peixes inteiros congelados, representando um faturamento de US$ 2,2 milhões, porém com queda de 30% em comparação com o segundo trimestre de 2022.

Produtos da tilápia lideram exportação

Conforme Medeiros, em relação às exportações de produtos da tilápia, a categoria de tilápia inteira congelada manteve a primeira posição no terceiro trimestre, com um total de US$ 2,2 milhões e crescimento de 14% em comparação ao mesmo período do ano anterior, mas com queda de 29% em relação ao terceiro trimestre de 2021.

Em seguida, os filés frescos foram o segundo produto mais embarcado, arrecadando US$ 949 mil, contudo também apresentaram queda, sendo de 27% frente a 2021.

Enquanto os filés de tilápia congelada ocuparam a terceira posição entre os mais solicitados e foi o único a registrar crescimento, gerando receita de US$ 901 mil, o que representa alta de 53% comparada com o mesmo período de 2021. “Em 2022 também aumentamos muito as exportações para Tawain com óleo e farinha de tilápia. Então hoje todos os produtos da tilápia são exportados, inclusive escama e pele”, menciona o presidente da PeixeBR.

Apesar da redução nos envios para fora do país, os filés congelados de tilápia tiveram o maior preço médio, sendo negociados a US$ 5,87/kg, seguido pelos filés frescos a US$ 5,65/kg. Já os subprodutos de tilápia impróprios à alimentação humana apresentaram o maior aumento frente ao mesmo período de 2021, sendo comercializados a um valor médio de US$ 1,04.

 

 

Estados maiores produtores e exportadores

Entre os estados maiores produtores de tilápia, Paraná segue líder, seguido de São Paulo, Minas Gerais, Santa Catarina e Mato Grosso do Sul, enquanto que Rondônia, Mato Grosso, Maranhão, Pará e Amazonas são os maiores produtores nacionais de peixes nativos.

O Paraná manteve também a posição de maior exportador de tilápia, totalizando US$ 2,7 milhões em negócios, o equivalente a 61% do volume total exportado no terceiro trimestre de 2022. A segunda posição ficou com a Bahia, que superou o Mato Grosso do Sul ao faturar US$ 659 mil com as vendas externas, o que representa 14% das exportações brasileiras, mesma participação de São Paulo, que teve receita um pouco menor, com US$ 623 mil; seguida de Mato Grosso do Sul com 9% (US$ 421 mil) e Goiás com 1% (US$ 52 mil).

Entre os principais produtos exportados pelos três principais estados, destaque para tilápia inteira congelada, que representou a principal categoria exportada pelo Paraná, gerando negócios que totalizaram US$ 1,5 milhão; seguida da Bahia com US$ 459 mil; Mato Gross do Sul com US$ 157 mil.

Destino do peixe brasileiro

O principal mercado que a piscicultura brasileira atende é os Estados Unidos, com participação de 83% das exportações nos primeiros nove meses do ano passado, com um volume de importação de US$ 3,8 milhões, queda de 29% em relação ao trimestre anterior e alta de 4% quando comparado a 2021. A segunda posição foi ocupada por Taiwan, com um volume de US$ 186 mil, que reflete 4% do total exportado, seguido do Japão com US$ 130 mil (3%), República Dominicana com US$ 123 mil (3%) e Tailândia com US$ 53 mil (1%).

Os peixes inteiros congelados foram a categoria de produto mais exportada para os EUA, com aumento de 6% frente a 2021, enquanto os filés frescos ocuparam a segunda posição, mas com queda de 23% em relação ao mesmo período de 2021. Por sua vez, os subprodutos impróprios para alimentação humana – pele, escama, farinha e óleo – foram a categoria mais exportada para Taiwan, Japão e Tailândia.

 Consumo

Com o aquecimento da produção e aumento na competitividade do peixe em relação às outras proteínas, o consumo per capita anual deve passar dos 10 quilos registrados em 2021, o que é bastante significativo porque, segundo Medeiros, nunca se teve na história do Brasil um crescimento tão acentuado no consumo.

Esse cenário, segundo ele, está atrelado à melhoria da logística, a entrega do produto em um maior número de estabelecimentos para comercialização, provocado principalmente pelas empresas de processamento de frango, que hoje atuam também no setor de tilápia. “A piscicultura está apenas começando no Brasil, teremos três décadas seguidas de crescimento, haja vista que a proteína animal mais consumida no mundo é de pescado e nós temos, neste momento, as melhores condições para continuar crescendo, principalmente quando se trata de business internacional, uma vez que a nossa participação ainda é muito pequena”, ressalta.

Carro chefe da piscicultura brasileira

Quarto maior produtor mundial de tilápia, a espécie deve alcançar cerca de 65% de tudo que se cultiva no Brasil, um crescimento tímido em relação aos 63,5% da produção nacional registrada em 2021. “Entre três a quatro anos o Brasil deve estar próximo de ser o terceiro maior produtor mundial de tilápia, espécie que é a principal commodity do setor. Hoje o empresário do agro brasileiro tem uma expertise muito grande quando se trata de uma commodity do agrobusiness, razão pela qual a tilápia se destaca tanto em relação às outras espécies de peixes de cultivo”, analisa Medeiros.

Sistemas de produção

Para o presidente da PeixeBR, o modelo de integração fomentado pelas cooperativas agropecuárias, principalmente no Paraná e no Mato Grosso do Sul, e o sistema verticalizado representam os modelos mais competitivos para o crescimento da cadeia produtiva de peixes de cultivo no país.

 

 

Custo de produção

Nos últimos dois anos, os insumos representaram um impacto expressivo nos custos de produção, que afetam não somente a piscicultura, mas também outras cadeias, como suínos, aves e bovinos, proteínas com quais o peixe compete no dia a dia no prato do consumidor. “O produtor tem trabalhado para reduzir custos na produção e continuar pagando os investimentos e o custeio da atividade, no entanto, essa mudança de governo deixa incertezas em todos os mercados. Na piscicultura alguns investimentos estão suspensos aguardando exatamente uma estabilização política no país, que deve ser alcançada entre os 100 e 180 dias do próximo governo”, anseia Medeiros.

Fonte: O Presente Rural

https://opresenterural.com.br/peixebr-espera-mais-consumo-interno-e-crescimento-no-mercado-internacional-em-2023/

 

 

Categorias
Charges
Capa QUALIDADE DE ÁGUA
QUALIDADE DE ÁGUA
Charge Edição nº 26 Publicado em 06/11/2022
Informativo

Assine nosso informativo para receber promoções, notícias e novidades por e-mail.

+55 (48) 9 9646-7200

contato@aquaculturebrasil.com

Av. Senador Gallotti, 329 - Mar Grosso
Laguna - SC, 88790-000

AQUACULTURE BRASIL LTDA ME
CNPJ 24.377.435/0001­18

Top

Preencha todos os campos obrigatórios.

No momento não conseguimos enviar seu e-mail, você pode mandar mensagem diretamente para contato@aquaculturebrasil.com.

Contato enviado com sucesso, em breve retornamos.

Preencha todos os campos obrigatórios.

Preencha todos os campos obrigatórios.

Você será redirecionado em alguns segundos!