Notícias
Cultivo de Peixes
23 de Setembro de 2022 Aquaculture Brasil
Criação e processamento de tilápia gera mais de três mil postos de trabalho em cidade paulista

Com recursos hídricos em abundância, clima favorável, disponibilidade de mão de obra, crescente demanda do mercado interno e conquistando cada vez mais espaço no exterior, a piscicultura brasileira borbulha em oportunidades, alavancando a produção de peixes de cultivo em todas as regiões do Brasil, com a tilápia assumindo o protagonismo ao representar mais de 65% do total produzido em território nacional.

Gerente de operações da Fider Pescados, Juliano Kubitza: “O cenário de custos da pandemia trouxe desafios importantes de serem superados antes de se pensar em crescimento” – Fotos: Divulgação/Fider

 

 

Com uma produção de 81.640 toneladas no último ano, o Estado de São Paulo ocupa a vice-liderança nacional na produção de peixes, resultado de investimentos de médios e grandes produtores na verticalização da atividade, o que contribui para o crescimento do setor de processamento. A exemplo da Fider Pescados, do grupo multinacional MCassab, que há 13 anos instalou seu projeto de criação e processamento de tilápia em Rifaina, SP, gerando mais de 500 empregos diretos e outros 2,5 mil indiretos. “A empresa injeta R$ 15 milhões por ano em receita na economia local através dos salários e recolhe anualmente R$ 30 milhões em impostos, contribuindo para os necessários investimentos em saúde, educação, infraestrutura, segurança e demais serviços essenciais para o desenvolvimento regional”, expõe o gerente de operações da Fider Pescados, Juliano Kubitza.

Líder em produção no Estado paulista, a unidade instalada na Represa Jaguara abriga atualmente cerca de dez milhões de peixes no sistema de cultivo em tanques-rede, sendo considerado o maior projeto em atividade na América Latina. De acordo com Kubitza, o processo de produção compreende cinco etapas: genética, reprodução, alevinagem, recria e engorda.  “Nos últimos anos passamos por um importante período de maturação de nossos processos produtivos, que seguem se consolidando em busca de se tornar cada vez mais eficientes”, ressaltou.

Para a produção de juvenis, a Fider possui produtores integrados, enquanto o processo de engorda é próprio. Por mês são produzidas 800 toneladas de peixes e nos próximos anos projeta-se dobrar essa produção. “Dispomos de autorização do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento para produzir 19.200 mil toneladas por ano na Represa de Jaguara”, comenta Kubitza.

Entre as cinco maiores processadoras de tilápia do Brasil, atende todo o território nacional e exporta para os Estados Unidos, Canadá, Taiwan, Venezuela, Bangladesh, Sri 

Lanka e Indonésia. “Além de linha própria, produzimos para importantes marcas”, menciona Kubitza.

O profissional ressalta que as medidas sanitárias estão presentes em todas as etapas da tilapicultura, desde os ovos até o produto final. “Por isso as perdas são próximas a zero, porque monitoramos todos os processos através de programas de autocontrole e do plano de Análise de Perigos e Pontos Críticos de Controle (HACCP), tanto na criação quanto no frigorífico”, orgulha-se Kubitza.

 

 

Preocupação ambiental

Conforme o gerente de operações, a qualidade da água recebe atenção especial pelos profissionais que atuam na Fider, uma vez que é item vital para o sucesso da produção de tilápia. Periodicamente são realizadas análises da água pelo Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro), com o resultado destas amostras sendo submetido à Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb), conforme exigências da lei. “Além disso, a própria Cetesb faz a coleta d’água regularmente para realizar seus próprios testes de qualidade. No entanto já realizamos o monitoramento da água na Represa de Jaguara desde o início de nossas atividades, em 2009, através de uma empresa terceirizada, comprovando que a qualidade da água não é afetada pela produção de tilápia”, salienta Kubitza.

A área de produção de tilápia da Fider Pescados recebeu sólidos investimentos em infraestrutura, que incluíram atenção à preservação do meio ambiente. A Área de Preservação Permanente (APP) original foi ampliada em 6 mil m2 com o plantio de 15 mil árvores nativas. “Esse cuidado representa um importante ganho para a fauna local, com atração de diferentes espécies, inclusive em extinção, para reprodução e área de descanso”, relata o gestor.

Para atestar as boas práticas adotadas, o gerente de operações diz ainda que a empresa possui a certificação BAP (Boas Práticas de Aquicultura), um dos mais completos e rígidos atestados internacionais de qualidade, que garante a sustentabilidade dos produtos e possibilita, inclusive, a exportação de produtos de tilápia, como para os Estados Unidos, país que possui a legislação de segurança alimentar mais rígida do mundo.

Conforme Kubitza, em agosto a Fider recebeu a certificação do Conselho de Manejo de Aquicultura (ASC da sigla em inglês), concedido às fazendas de peixes de cultivo que são ambiental e socialmente responsáveis. “A certificação ASC é um reconhecimento ao trabalho desenvolvido pela empresa desde sua origem nas esferas social, ambiental e de governança. Já tínhamos a certificação de boas práticas e agora com a ASC nos abre importantes portas em mercados internacionais altamente exigentes, muitos dos quais requerem essa certificação para entrada”, evidencia.

Os negócios com a certificação ASC são reconhecidos por minimizar os impactos no ecossistema local de várias maneiras, como o desenvolvimento e a implementação de avaliação de impacto ambiental, proteção da bacia hidrográfica receptora, entre outros.

Complexo industrial

São processados por mês até três mil toneladas de tilápia no Frigorífico da Fider Pescados

Além do frigorífico com capacidade para abater até três mil toneladas mensais, o complexo industrial da Fider Pescados conta uma das mais modernas fábricas de óleos e farinhas do Brasil. Inaugurada no final de 2020, a unidade industrial recebeu investimento de R$ 15 milhões e tem capacidade instalada para produção de 500 toneladas de óleos e de farinhas. “Todos os processos são automatizados, desde a recepção de matérias-primas à embalagem, com a administração centralizada na sala de controle, sendo necessários apenas quatro funcionários por turno”, declara Kubitza.

 

 

Segundo o gerente de operações, a instalação da fábrica de insumos equacionou o aproveitamento de resíduos da tilápia processada no frigorífico, passando a aproveitar 100% da tilápia. “Todos os resíduos não aproveitados no processamento de tilápia são direcionados para um reservatório, onde são prensados e seguem diretamente para a fábrica de óleos e farinhas. Após processos internos, tornam-se ingredientes de alta qualidade, prontos para serem utilizados na cadeia da produção animal”, explica Kubitza.

Expansão

Para os próximos cinco anos, Kubitza diz que a empresa projeta expandir a piscicultura com a exploração em outros reservatórios. “Mas ainda está em estudo essa expansão, porque sua execução depende da obtenção de resultados, por isso temos sempre os pés no chão. O cenário de custos da pandemia trouxe desafios importantes de serem superados antes de se pensar em crescimento”, pondera o gerente de operações, ampliando: “Fizemos parte de um grupo quase centenário, que tem por cultura trabalhar com os pés no chão, trabalho duro e crescimento consistente. Não há ambição em sermos os maiores, mas sempre buscamos ser os melhores naquilo que fazemos, é isso que está em nosso DNA”.

Segundo o profissional, o momento atual da produção de tilápia no país tem aberto caminho para projetar o Brasil como um dos maiores players da espécie no mundo, no entanto, o desenvolvimento do setor não acontece de forma acelerada em razão dos elevados para manutenção da atividade. “O produtor precisa ser resiliente. Os custos são elevados e o preço de venda não compensa toda a elevação de custos que ocorreu com a pandemia e a guerra na Ucrânia, mas, apesar disso, acreditamos num momento melhor”, pontua.

Fonte: O Presente Rural

 

Veja também:

MARANHÃO É O QUINTO MAIOR PRODUTOR NACIONAL DE PESCADO

TESTE IDENTIFICA SEXO DE PIRARUCU E TAMBAQUI PARA AUXILIAR NA FORMAÇÃO DE PLANTÉIS

Categorias
Charges
Capa QUALIDADE DE ÁGUA
QUALIDADE DE ÁGUA
Charge Edição nº 26 Publicado em 06/11/2022
Informativo

Assine nosso informativo para receber promoções, notícias e novidades por e-mail.

+55 (48) 9 9646-7200

contato@aquaculturebrasil.com

Av. Senador Gallotti, 329 - Mar Grosso
Laguna - SC, 88790-000

AQUACULTURE BRASIL LTDA ME
CNPJ 24.377.435/0001­18

Top

Preencha todos os campos obrigatórios.

No momento não conseguimos enviar seu e-mail, você pode mandar mensagem diretamente para contato@aquaculturebrasil.com.

Contato enviado com sucesso, em breve retornamos.

Preencha todos os campos obrigatórios.

Preencha todos os campos obrigatórios.

Você será redirecionado em alguns segundos!