Notícias
Cultivo de Peixes
08 de Julho de 2021 Jéssica Brol
Oferta contínua e padrão de qualidade estão entre os requisitos para superar a crise

 

O presidente da Comissão Nacional de Aquicultura da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), Eduardo Ono, afirmou durante a live promovida pelo Sebrae Rondônia, na última terça-feira (06), que a cadeia produtiva da piscicultura, para ser competitiva e passar pela crise atual, precisa ter oferta contínua e padrão de qualidade nos produtos.

“A competitividade vai muito além da questão de preço. Temos que pensar que para um produto ser competitivo no mercado ele precisa ter um custo-benefício positivo para o consumidor, com padrão de sabor, frescor e apresentação. O consumidor precisa ter certeza do que ele está recebendo”, afirmou, Ono. “Tudo isso faz parte do pacote de competitividade do produto.”

 

 

Eduardo Ono falou também sobre a atual crise do setor, devido ao aumento dos custos de produção, principalmente devido à alta do dólar e à disparada no consumo chinês de grãos. Segundo ele, o preço do peixe no mercado interno não acompanhou a alta da ração.

“O preço do peixe subiu, mas demorou mais de um ano para se ajustar nesse processo. Isso colocou uma pressão tremenda em cima dos produtores, porque quando se fala em dobrar o preço da ração, também estamos falando em dobrar o capital de giro, e a ração representa uns 75% do custo de produção.”

Para contornar esse cenário, Ono acredita que o produtor precisa tomar algumas iniciativas para conter os custos, começando por identificar os desperdícios dentro da propriedade.

“A primeira coisa é olhar em volta e tentar identificar os desperdícios de ração, calcário, mão-de-obra, combustível, energia elétrica. Depois, olhar dentro da piscicultura, qual a taxa de sobrevivência, índice de crescimento dos peixes, se o aproveitamento da ração (taxa de conversão alimentar) está eficiente. É identificar e sanar esses problemas.”

Outra dica, segundo ele, é reduzir o número de animais por área, porque diminuir o povoamento de peixes vai aumentar a margem de lucro.

“Se o produtor hoje está espremido com a alta da ração, ele tem que diminuir o povoamento. Primeiro para diminuir o capital de giro, segundo para melhorar a eficiência de produção, diminuir os custos de produção e aumentar a margem por quilo. Vai diminuir o faturamento dele, mas proporcionalmente ele diminui o capital de giro. Assim ele consegue sobreviver nesse momento de crise”.

Além disso, o presidente da Comissão da CNA disse que o cenário atual colocou em evidência a necessidade de profissionalização da cadeia produtiva.

“Quem não se profissionaliza fica no meio do caminho. Em qualquer ramo de negócio é assim e na piscicultura não vai ser diferente. Quem não se profissionaliza não vai sobreviver no médio e longo prazo. O momento de crise acelerou o processo que levaria seis anos, aconteceu em um ano e meio e quem já estava preparado sofre menos”.

 

 

Categorias
Charges
Capa quando o cão pastor é de um produtor de peixes
quando o cão pastor é de um produtor de peixes
Charge Edição nº 22 Publicado em 28/07/2021
Informativo

Assine nosso informativo para receber promoções, notícias e novidades por e-mail.

+55 (48) 9 9646-7200

contato@aquaculturebrasil.com

Av. Senador Gallotti, 329 - Mar Grosso
Laguna - SC, 88790-000

AQUACULTURE BRASIL LTDA ME
CNPJ 24.377.435/0001­18

Top

Preencha todos os campos obrigatórios.

No momento não conseguimos enviar seu e-mail, você pode mandar mensagem diretamente para contato@aquaculturebrasil.com.

Contato enviado com sucesso, em breve retornamos.

Preencha todos os campos obrigatórios.

Preencha todos os campos obrigatórios.

Você será redirecionado em alguns segundos!