Notícias
Cultivo de Peixes
05 de Abril de 2021 Jéssica Brol
Otimização no manejo e dieta podem resultar em um ganho de peso 20% maior na produção de panga

Nova tecnologia para produção de panga é entregue por pesquisadores da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo ao setor de produção. O trabalho conduzido pela APTA Regional, unidade de pesquisa da Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios, mostrou ganho de peso 20% maior quando os animais são alimentados com ração com 40% de proteína bruta.

Para se chegar a esse resultado, os pesquisadores testaram ração com diferentes níveis de proteína bruta, sendo eles, 40%, 32% e 28% de proteína bruta. Os animais foram cultivados em tanques-rede de 1m³ que estavam dentro de viveiros escavados para possibilitar a obtenção de informações com repetições. A estimativa de custo operacional e os indicadores técnicos obtidos no experimento foram adaptados para viveiro escavado de 1.500m2.

“O estudo mostrou que o sistema de produção de panga, preconizado pela APTA, é uma atividade rentável, já que a lucratividade obtida ficou entre 2,68% a 3,89%, considerando o custo operacional. Os dados obtidos demonstram que houve lucro, indicando que a produção de panga pode ser uma opção de ganho financeiro para o produtor”, afirma a pesquisadora da APTA Regional de Monte Alegre do Sul, Célia Maria Doria Frasca Scorvo.

O estudo contou com a participação das empresas Guabi Nutrição Animal e Piscicultura Águas Claras.

Segundo a equipe de pesquisadores, foi verificado que para maior rentabilidade do piscicultor, a criação do panga deve ser realizada em viveiros escavados com densidade de até dez peixes por m² desde que se tenha renovação de 5 a 10% de água no tanque. “Para locais com baixa renovação de água, o produtor deve diminuir a densidade, que pode variar de um a três peixes por metro quadrado”, explica Célia.

Ainda, a  produção de panga alcança melhor desempenho em locais em que ocorre pequena oscilação da temperatura da água ao longo do ano, sendo ideal que a criação do peixe em temperatura entre 23ºC e 29ºC.

A produção desse peixe foi regulamentada no estado de São Paulo em 2016, sendo permitida  somente em viveiros escavados.

“O produtor deve fazer os licenciamentos ambientais e a outorga de água antes de iniciar a atividade, tirar registro de aquicultor e ter GTA (Guia de Trânsito Animal) para poder comercializar os animais”, explica Célia.

Fonte: Governo de SP

A nova aposta da aquicultura, muito prazer, Panga BR

“Panga BR” é o nome adotado para o panga que é  cultivado no Brasil. A espécie, Pangasius hypophthalmus, é a mesma criada de forma intensiva em cerca de dez províncias do Delta do Rio Mekong, Vietnã. No Brasil esse peixe tornou-se conhecido a partir de 2009, não pelo seu cultivo em terras brasileiras, mas quando o País começou a importar toneladas de filés do Sudeste Asiático. 

Em 2018 a Aquaculture Brasil publicou um artigo intitulado "A nova aposta da aquicultura brasileira, muito prazer, Panga BR". O artigo está disponível para leitura na íntegra, clique aqui.

 

Categorias
Charges
Capa Aquicultura Cigana
Aquicultura Cigana
Charge Edição nº 5 Publicado em 01/05/2017
Informativo

Assine nosso informativo para receber promoções, notícias e novidades por e-mail.

+55 (48) 9 9646-7200

contato@aquaculturebrasil.com

Av. Senador Gallotti, 329 - Mar Grosso
Laguna - SC, 88790-000

AQUACULTURE BRASIL LTDA ME
CNPJ 24.377.435/0001­18

Top

Preencha todos os campos obrigatórios.

No momento não conseguimos enviar seu e-mail, você pode mandar mensagem diretamente para contato@aquaculturebrasil.com.

Contato enviado com sucesso, em breve retornamos.

Preencha todos os campos obrigatórios.

Preencha todos os campos obrigatórios.

Você será redirecionado em alguns segundos!