Colunas
Ranicultura
02 de Janeiro de 2017 Andre Muniz Afonso
Piso das Baias de Engorda – Vantagens e Desvantagens

A ranicultura é uma atividade conhecida pela diversidade de modelos e sistemas aplicados ao longo do ciclo de produção, principalmente no que se refere à fase de engorda, que foi a mais testada e experimentada pelo universo acadêmico. Dentro deste contexto sempre surge a dúvida por qual modelo deva ser adotado na implantação de um ranário comercial. Existe um modelo mais eficaz? Na verdade, existem alguns modelos eficazes e sua implantação dependerá de uma série de questões, que podem envolver o clima local, a disponibilidade de água, entre outros fatores. Entretanto uma coisa é certa: “O piso das baias deve receber atenção especial”.

 

 

Entre os tipos de piso mais difundidos, no momento, temos o acimentado (tradicional) e o revestido por lona plástica (moderno). Ambos possuem vantagens e desvantagens, portanto a decisão ficará a cargo do responsável pela construção/implantação do ranário. O piso acimentado possui como vantagens uma maior durabilidade e a possibilidade de limpeza mais vigorosa, inclusive por meio do uso da vassoura de fogo, em alguns casos. Já como desvantagens podemos dizer que ele propicia o surgimento de lesões na pele dos animais, necessita de reparos quando do surgimento de infiltrações e, consequente, perda de água, e possui pouca versatilidade quando se faz necessária uma mudança de manejo (p. ex. transformação de baia em tanque).

A utilização da lona plástica tem como vantagens a alta versatilidade, pois pode ser transformada de tanque em baia rapidamente e de um sistema semi-seco em inundado por meio da alteração da sua base. Ainda, a ausência de lesões na pele dos animais e maior facilidade de manutenção de temperaturas elevadas na água (requer maior monitoramento). Como desvantagens apresenta menor durabilidade e impossibilidade de utilização de produtos cáusticos ou o fogo na higienização. Ao analisarmos os prós e os contras, algumas questões surgem:

  1. A limpeza mais vigorosa apresentada pelo piso de cimento é compensada pelo fato dos animais apresentarem mais lesões?
  2. A versatilidade representada pela possibilidade de troca de funcionalidade das instalações (baia:tanque) é mesmo uma necessidade nos ranários comerciais?
  3. Existem bons agentes sanitizantes para aplicação em lona plástica, que eliminem a necessidade do uso do fogo ou de um ácido forte?

Outras questões poderiam ser levantadas, mas respondamos primeiro a estas. O aparecimento de lesões nos animais, principalmente de mãos e pés, além do peito (quando são mais pesados), permite a entrada de agentes patogênicos no organismo das rãs. A pele, o maior órgão do corpo, constitui uma importante barreira às invasões. No caso das rãs, ela produz anti-inflamatórios e antimicrobianos naturais que ajudam o animal no combate aos agentes infecciosos do ambiente, mas lesões por esforço repetitivo ou por mudança de pH da água, causadas pelo cimento, dificultam a ação desses mecanismos fisiológicos.

Quanto maior a versatilidade nos ranários melhor será a eficiência do modelo de produção.

E, por fim, sim, podemos dizer que existem bons agentes sanitizantes, como o iodo e seus derivados, que podem ser utilizados nos sistemas compostos por lona plástica, inclusive com ação polivalente (bactericida, fungicida, viricida e parasiticida). Finalizamos com outras características da lona frente ao seu concorrente, o cimento: ela representa maior economia de investimento e não necessita de mão de obra especializada para montagem, portanto mais rápida e barata.

Saudações ranícolas!

 

Faça o download e confira o texto completo com todas as ilustrações. Clique aqui

 

 

Anterior
Próxima
Patrocínio do colunista Andre Muniz Afonso
Colunista
Capa do colunista Andre Muniz Afonso
Andre Muniz Afonso

Formado em Medicina Veterinária pela Universidade Federal Fluminense (UFF/2000), com mestrado em Medicina Veterinária (Área de concentração: Patologia e Reprodução Animal-UFF/2004) e doutorado em Medicina Veterinária (Área de concentração: Higiene Veterinária e Processamento Tecnológico de Produtos de Origem Animal-UFF/2016). Desde 2009 é professor da Universidade Federal do Paraná (UFPR), no Setor Palotina (Palotina/PR), sendo responsável pelas disciplinas de Tecnologia do Pescado, Ranicultura e Análise Sensorial de Alimentos e Bebidas, bem como pelo Laboratório de Ranicultura (LabRan-UFPR). Tem experiência na produção, beneficiamento, industrialização e sanidade de organismos aquáticos, tendo atuado em diversos órgãos voltados a esta temática. Atua principalmente nos seguintes temas: Processamento e Inspeção Higienicossanitária de Produtos de Origem Animal, Vigilância Sanitária, Aquicultura, Sanidade Aquícola e Extensão Rural.

Categorias
Charges
Capa quando o cão pastor é de um produtor de peixes
quando o cão pastor é de um produtor de peixes
Charge Edição nº 22 Publicado em 28/07/2021
Informativo

Assine nosso informativo para receber promoções, notícias e novidades por e-mail.

+55 (48) 9 9646-7200

contato@aquaculturebrasil.com

Av. Senador Gallotti, 329 - Mar Grosso
Laguna - SC, 88790-000

AQUACULTURE BRASIL LTDA ME
CNPJ 24.377.435/0001­18

Top

Preencha todos os campos obrigatórios.

No momento não conseguimos enviar seu e-mail, você pode mandar mensagem diretamente para contato@aquaculturebrasil.com.

Contato enviado com sucesso, em breve retornamos.

Preencha todos os campos obrigatórios.

Preencha todos os campos obrigatórios.

Você será redirecionado em alguns segundos!