Colunas
Visão Aquícola
01 de Agosto de 2018 Giovanni Lemos de Mello
Piscicultura Marinha no Mediterrâneo

 

 

Recentemente participei de uma missão na Europa coordenada pelo Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), integrando uma delegação brasileira no tema de P&D em aquicultura. Um dos principais objetivos desta missão foi conhecer de perto plataformas de integração entre academia, indústria e governo, buscando adaptar um modelo para o Brasil, a exemplo da EATIP (European Aquaculture Technology Platform).

Minha primeira missão internacional como especialista da área, aos 37 anos, após meus primeiros dez anos (ainda bem tímidos) como pesquisador e 15 anos de graduado em Engenharia de Aquicultura. “Marinheiro de primeira viagem”. Foi incrível adentrar no mar Mediterrâneo e conhecer a piscicultura marinha do Sul da Espanha. Como assim, professor da disciplina de Piscicultura e pesquisador na área de piscicultura marinha que nunca visitou a piscicultura marinha fora do Brasil? Caro leitor, não tenho vergonha alguma de apontar as minhas fragilidades. Pior é a pessoa que vive tendo oportunidades de conhecer a aquicultura pelo mundo e não contribui em nada pelo desenvolvimento de nossa atividade no País.

O curioso, é que pude conferir na prática o que escrevi em minha primeira coluna, da edição anterior. Robalos e pargos com 300 a 400 gramas, produzidos por dois anos, protagonizando um mercado que movimenta bilhões de Euros/ano. Entre robalos, pargos, corvinas e atuns, obviamente que este último foi o que mais chamou a nossa atenção. Fomos recebidos por um dos seis proprietários da maior empresa espanhola, que nos contou absolutamente tudo sobre o processo de criação, beneficiamento e comercialização do atum. Aliás, algumas imagens ilustram muito melhor do que uma ou duas páginas...

 

 

 

 

Segundo a empresa, após o mês de maio, melhor preço para venda do atum ao Japão (90% de seu mercado), o preço deste pescado reduz consideravelmente e a solução é estocá-los em gaiolas no mar. Ali, eles ficam em média 5 meses, até o preço se recuperar. O peso inicial é de causar espanto: de 150 a 250 Kg! Isto mesmo, quilos! O tanque-rede parecia mais uma jaula com leões! Nos meses em que os atuns vão permanecer ali, eles engordam cerca de 40%, mas não é muito controlada a questão de biometrias. Outra coisa que assusta, tanques-rede com 90 m de diâmetro, como vocês podem conferir nas imagens que ilustram esta coluna.

Por fim, daí assusta mesmo, a produção anual da empresa: 12 mil toneladas de atum por ano. E para aterrorizar de vez, a última informação: o fornecimento diário de peixes para os atuns: 800 toneladas/dia. Isto mesmo, não é quilo, e não há erro de digitação! São oitocentas toneladas por dia de peixes sendo ofertados aos atuns nas gaiolas da empresa no Mediterrâneo. Tente refletir um pouco a respeito...

Da próxima vez que estiver mostrando aquele gráfico mais famoso da FAO, com o total produzido pela pesca e aquicultura, e falando que a pesca, apesar de ainda produzir mais, parte não vai para consumo humano e sim para outros fins (como o descrito acima!), nunca mais vou me esquecer do que vimos.

 

 

 

 

Faça o download e confira o texto completo com todas as ilustrações. Clique aqui

Anterior
Próxima
Colunista
Capa do colunista Giovanni Lemos de Mello
Giovanni Lemos de Mello

Graduado na primeira turma do Brasil de Engenharia de Aquicultura, pela Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC (2003), possui Mestrado (2007) e Doutorado (2014) pelo Programa de Pós-Graduação em Aquicultura da UFSC. A partir de 2002 atuou como consultor técnico em diversas fazendas de cultivo de camarão marinho de SC. Em 2006 fundou a empresa AQUACONSULT – Projetos e Serviços em Aquicultura e Meio Ambiente, sendo homenageado pelo Presidente do CREA-SC como a primeira empresa de aquicultura filiada ao órgão, no Estado. Atualmente é Professor Adjunto II do curso de Engenharia de Pesca da Universidade do Estado de Santa Catarina, campus Laguna, secretário de relações internacionais da Peixe BR e editor-chefe da Revista Aquaculture Brasil.

Categorias
Charges
Capa Que ventania!
Que ventania!
Charge Edição nº Publicado em 18/09/2023
Informativo

Assine nosso informativo para receber promoções, notícias e novidades por e-mail.

+55 (48) 9 9646-7200

contato@aquaculturebrasil.com

Av. Senador Gallotti, 329 - Mar Grosso
Laguna - SC, 88790-000

AQUACULTURE BRASIL LTDA ME
CNPJ 24.377.435/0001­18

Top

Preencha todos os campos obrigatórios.

No momento não conseguimos enviar seu e-mail, você pode mandar mensagem diretamente para contato@aquaculturebrasil.com.

Contato enviado com sucesso, em breve retornamos.

Preencha todos os campos obrigatórios.

Preencha todos os campos obrigatórios.

Você será redirecionado em alguns segundos!