Colunas
Nutrição Aquícola
30 de Novembro de 2021 Artur Nishioka Rombenso
Diretrizes e prioridades da indústria de nutrição aquícola perante os tempos de COVID

 

 

Hoje abordarei as diretrizes e prioridades da indústria de nutrição aquícola perante os tempos de COVID com base nas minhas experiências em projetos e em contatos com profissionais ao longo da cadeia produtiva aquícola, especialmente na Ásia e Oceania, e que nem sempre refletem a realidade da indústria de ração em todas regiões.

Em momentos de incertezas, uma das primeiras ações institucionais consiste na redução de despesas, o que pode refletir de diversas maneiras, principalmente na reorganização das prioridades e/ou redução do orçamento dedicado à pesquisa. Acredito que, assim como eu, vários leitores também tiveram oportunidades de projetos de pesquisa adiadas ou canceladas. Nesse contexto, surgem dúvidas sobre as prioridades de pesquisa da indústria de nutrição aquícola. E também algo para refletir sobre o quão essencial são nossos projetos de pesquisa – tema que abordarei numa futura coluna.

Um dos principais objetivos das empresas de ração é a consistência de qualidade de seus produtos. Nos momentos em que os preços dos ingredientes estão instáveis e tendem a aumentar, ocorre uma busca por flexibilização nas formulações. Ou seja, diminuir a dependência de ingredientes chaves que são mais caros, aumentar o portfólio de matérias-primas, e ao tempo manter o desempenho dos organismos aquáticos e o valor nutriticional do produto final. Para tal, as empresas estão focando em pesquisas para avaliar diferentes combinações de ingredientes e testar novas matérias-primas e aditivos, sempre mantendo o preço da ração como um dos fatores decisivos.

 

 

 

 

Além disso, a origem dos ingredientes, que influencia os custos de transporte, e consequente sustentabilidade em termos de emissões de CO2 são fatores importantes¹. Para mais informações sobre as características dos ingredientes e a importância das mesmas, recomendo a leitura do artigo revisão Glencross 2020². Assim, existe uma diretriz em priorizar ingredientes locais ao invés dos mais tradicionais, porém geograficamente distantes. Empresas multinacionais instaladas na Austrália, por exemplo, estão atualmente utilizando de 60 a 80% de matérias-primas australianas em suas formulações.

Infelizmente, pesquisas mais básicas e de alto risco são alocadas para baixo na lista de prioridades por não terem implementação comercial imediata. Porém, momentos de incerteza também devem ser vistos como oportunidades. Portanto, devemos ser criativos e alinhar ideias de pesquisa e desenvolvimento com essas diretrizes para continuar o avanço da atividade aquícola. Vale ressaltar que nenhum impacto positivo é realizado isoladamente, assim a indústria de ração faz sua parte e, juntamente com as outras ao longo da cadeia produtiva, fazem com que a atividade como um todo progrida nesses momentos delicados.

Espero ter trazido algo novo para vocês leitores e ao mesmo tempo ter feito jus a todos nós, profissionais aquícolas, que estamos trabalhando duro nesses últimos tempos buscando manter o progresso da aquicultura.

¹ Escobar N., et al., 2020. Spatially-explicit footprints of agricultural commodities: Mapping carbon emissions in Brazil’s soy exports. Global Environmental Change https://doi.org/10.1016/j.gloenvcha.2020.102067

² Glencross, B.D. 2020. A feed is still only as good as its ingredients: An update on the nutritional research strategies for the optimal evaluation of ingredients for aquaculture feeds. Aquaculture nutrition https://doi. org/10.1111/anu.13138

 

 

 

Faça o download e confira o texto completo com todas as ilustrações. Clique aqui

Anterior
Próxima
Patrocínio do colunista Artur Nishioka Rombenso
Colunista
Capa do colunista Artur Nishioka Rombenso
Artur Nishioka Rombenso

Artur N. Rombenso é oceanólogo Brasileiro de 28 anos e doutor em Nutrição aquícola pela Southern Illinois University Carbondale – EUA. Atualmente é professor/pesquisador no Instituto de Oceanografia na Universidade Autônoma de Baja California – México. Nos últimos 5 anos o Artur vem trabalhando com nutrição de peixes com ênfase em fontes alternativas de lipídeos e requerimentos de ácidos graxos. Possui vários trabalhos publicados em revistas científicas e técnicas, nacionais e internacionais, e ganhou 5 prêmios de melhor trabalho científico durante seu doutorado. Possui também grande experiência internacional participando e colaborando em projetos de pesquisa e extensão em mais de 7 países. Além do lado acadêmico, Artur auxilia na coordenação de pesquisa, extensão e produção de uma maricultura em Angra dos Reis – RJ. As principais linhas interesse se extendem desde nutrição (organismos aquáticos e humanos) à aquacultura, maricultura, lipídeos, ácidos graxos, e qualidade nutricional de frutos do mar. 

E-mail: arturnr@yahoo.com.br

Skype: artur.nishioka

CV: Research Gates

Categorias
Charges
Capa quando o cão pastor é de um produtor de peixes
quando o cão pastor é de um produtor de peixes
Charge Edição nº 22 Publicado em 28/07/2021
Informativo

Assine nosso informativo para receber promoções, notícias e novidades por e-mail.

+55 (48) 9 9646-7200

contato@aquaculturebrasil.com

Av. Senador Gallotti, 329 - Mar Grosso
Laguna - SC, 88790-000

AQUACULTURE BRASIL LTDA ME
CNPJ 24.377.435/0001­18

Top

Preencha todos os campos obrigatórios.

No momento não conseguimos enviar seu e-mail, você pode mandar mensagem diretamente para contato@aquaculturebrasil.com.

Contato enviado com sucesso, em breve retornamos.

Preencha todos os campos obrigatórios.

Preencha todos os campos obrigatórios.

Você será redirecionado em alguns segundos!