Colunas
Visão Aquícola
29 de Junho de 2021 Giovanni Lemos de Mello
Delivery na aquicultura: prós e contras

Com o advento da pandemia do Covid-19, restaurantes fechados e frigoríficos retraídos, o carcinicultor brasileiro, calejado de tantas dificuldades nos últimos 18 anos (quase uma geração de crises!), enfrentou mais um desafio: o que fazer com os camarões prontos para serem despescados nos viveiros?

Outro marco relevante desta pandemia: o crescimento exponencial dos deliverys. Segundo estudo da Mobills, startup de gestão de finanças pessoais, os gastos com os principais aplicativos de entregas de comida – iFood, Uber Eats e Rappi – cresceram 149% em 2020. Em dezembro, foi registrado o número mais alto de gastos, sendo R$ 2.184.752,54 em pedidos de delivery. Segundo a pesquisa, isso representa um aumento de 187% em relação a março de 2020. Para chegar a estes números, foram analisadas as despesas de 46 mil usuários, entre os meses de janeiro e dezembro do ano passado.

O bacana do delivery aquícola é que quem começa as entregas são os próprios produtores, sem muita utilização de aplicativos ou ferramentas digitais. É o aquicultor raiz se reinventando, mas sem perder a essência!

Aliás, quem não tem algum amigo ou familiar fazendo um “porta a porta”? Eu entreguei muitos camarões para amigos, conhecidos e “desconhecidos” nos finais de semana pós-pandemia. Até meu filho primogênito, na época ainda com 6-7 anos (verão de 2020), abriu informalmente uma empresa de comercialização de camarões, chamada “LH Camarões”. Bora estimular a vocação empreendedora na molecada!

 

 

Eis que surgiram no País dezenas (ou provavelmente centenas!) de deliverys de frutos do mar, desde o início da pandemia. Quem não segue algo do gênero no Instagram que atire a primeira pedra.

Falando nisto, dezenas de perfis no Instagram foram recentemente criados, onde a ideia é levar uma proteína extremamente nobre e saudável, a preços baixos, diretamente até a mesa do consumidor. Disrupção no mais genuíno dos seus conceitos: quebrar uma cadeia de intermediários! E funcionou! O consumidor inclusive, feliz da vida, depois da entrega tira uma foto do prato pronto e marca o produtor no Insta. Conhece marketing melhor?

Como fator contrário, sem dúvidas, a questão dos maiores custos associados ao varejo. Você vai gastar com gelo, embalagens plásticas e combustível para o delivery. Se tiver boas tarrafas e uma equipe “afiada”, reduz os custos com despescas parciais. Camarões e peixes retirados da água. Agora é levar até o cliente!

Entendemos de produzir camarão, e não de fazer entregas. É até estranho nas primeiras vezes, onde você acha que a pessoa estará lhe esperando na porta de casa, mas depois você descobre que tem que estacionar o carro, interfonar, entrar no condomínio, pegar o elevador e bater na porta do cliente. Se ajeite rapaz, você é um “entregador” e tem que ter paciência, educação e um sorriso no rosto! Além de máquina de cartão... sem esquecer de mais este investimento e dos custos associados às tarifas do crédito e débito. Isto quando o cliente está em casa...

Organizar as rotas de entrega, priorizar a entrega dos congelados antes dos frescos, manter os produtos bem preservados no veículo, separar o troco e torcer para o sinal do wifi da máquina de cartão funcionar são mais alguns dos desafios.

O que tem de melhor?

Além do aumento substancial do preço de venda e consequentemente das margens de lucro, a satisfação dos clientes! Não há produto igual a um camarão ou peixe retirado do viveiro ou tanque-rede e entregue em domicílio minutos ou horas depois.

Trata-se de outro produto, outro patamar de qualidade!

Os consumidores não fazem ideia desta diferença de qualidade e quando descobrem, se apaixonam, sem exceção.

No fim das contas, vários produtores têm se descoberto exímios comerciantes e hoje pensam inclusive em mudar de ramo. Tem amigo meu que vai deixar de produzir para se dedicar somente ao comércio de camarões. Menos risco e maior faturamento, segundo ele.

Esta é a nossa aquicultura, se reinventando a cada dia, e descobrindo a importância da busca incessante por novos métodos de comercialização para as contas fecharem no positivo ao final do mês.

Se a legislação sanitária permite fazer tudo isto? Resposta para uma futura coluna. Entretanto, antes de julgar, lembre-se, trata-se de uma questão de sobrevivência!

Ótimas lições de um dos períodos mais sombrios da humanidade.

 

 

Faça o download e confira o texto completo com todas as ilustrações. Clique aqui

Anterior
Próxima
Colunista
Capa do colunista Giovanni Lemos de Mello
Giovanni Lemos de Mello

Graduado na primeira turma do Brasil de Engenharia de Aquicultura, pela Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC (2003), possui Mestrado (2007) e Doutorado (2014) pelo Programa de Pós-Graduação em Aquicultura da UFSC. A partir de 2002 atuou como consultor técnico em diversas fazendas de cultivo de camarão marinho de SC. Em 2006 fundou a empresa AQUACONSULT – Projetos e Serviços em Aquicultura e Meio Ambiente, sendo homenageado pelo Presidente do CREA-SC como a primeira empresa de aquicultura filiada ao órgão, no Estado. Atualmente é Professor Adjunto II do curso de Engenharia de Pesca da Universidade do Estado de Santa Catarina, campus Laguna, secretário de relações internacionais da Peixe BR e editor-chefe da Revista Aquaculture Brasil.

Categorias
Charges
Capa enquanto isso no antigo egito...
enquanto isso no antigo egito...
Charge Edição nº 22 Publicado em 20/07/2021
Informativo

Assine nosso informativo para receber promoções, notícias e novidades por e-mail.

+55 (48) 9 9646-7200

contato@aquaculturebrasil.com

Av. Senador Gallotti, 329 - Mar Grosso
Laguna - SC, 88790-000

AQUACULTURE BRASIL LTDA ME
CNPJ 24.377.435/0001­18

Top

Preencha todos os campos obrigatórios.

No momento não conseguimos enviar seu e-mail, você pode mandar mensagem diretamente para contato@aquaculturebrasil.com.

Contato enviado com sucesso, em breve retornamos.

Preencha todos os campos obrigatórios.

Preencha todos os campos obrigatórios.

Você será redirecionado em alguns segundos!