Colunas
Ranicultura
01 de Setembro de 2017 Andre Muniz Afonso
Inovações tecnológicas na cadeia ranícola - Parte III: Inovações em instalações e manejo na engorda

Se as “Inovações Tecnológicas na Cadeia Ranícola” voltadas à Girinagem sempre foram tímidas, é na Engorda que elas aparecem com força total! A grande variedade de sistemas produtivos para rãs é destinada aos dois momentos existentes na engorda: Recria, ou engorda inicial; e a Terminação, ou engorda final. Além disso, outras inovações também se voltaram a forma como as rãs devem ser alimentadas, pois, por serem estritamente carnívoras após a metamorfose, só aquilo que apresenta movimento as atrai.

Podemos, inicialmente, definir os sistemas de criação de imagos e rãs em alagado ou inundado e semissecos (Figura 1). Nestes últimos, como o termo sugere, preconizou-se destinar uma área da baia para que os animais tivessem livre acesso à água, sendo esta área denominada de piscina. É importante frisar que o contato direto com a água é pré-requisito para o bem-estar das rãs, uma vez que se hidratam e respiram pela pele (além das respirações pulmonar e bucofaríngea), bem como defecam e urinam na água também. A área seca é destinada, normalmente, à colocação do alimento e, em certos modelos como o anfigranja, podem possuir uma pequena casa protegida da luz, denominada de “abrigo”.

 

 

No sistema inundado (Figura 2) os animais permanecem em contato permanente com a água, não existindo distinção entre áreas. A altura da lâmina d’água é menor quando comparada aos sistemas semissecos, pois deve permitir que a rã fique em estação, com a cabeça e as narinas emersas. Este modelo possui uma outra particularidade, i.e., como não há cocho, o alimento é servido diretamente na água e por tratar-se de ração extrusada, permanece boiando até que seja apreendido pelos animais. Esta característica de alimentação foi um divisor de águas na criação de rãs. Trazido em 1995 da Ásia para o Brasil, o sistema inundado revolucionou a forma de ofertar ração as rãs.

Antes disso, um estudo inovador realizado em 1984 por pesquisadores da Universidade Federal de Viçosa (MG), sistematizou a criação da larva da mosca doméstica (Musca domestica) em cativeiro, de forma higiênica e econômica, sendo possível fornecer as rãs um alimento que se movia. A alta produtividade dessa espécie, aliada à sua característica de fotofobia, permitia que fossem servidas sobre a ração no cocho. Ao moverem-se para baixo da ração, mobilizavam todos os péletes e isso despertava o interesse das rãs. O advento das larvas permitiu a introdução da ração na alimentação de imagos e rãs e, em seguida, outros modelos foram criados, sendo o mais comum chamado de “cocho vibratório”, caracterizado por uma estrutura (armação) de madeira ou metal, revestido por uma tela, onde se depositava a ração e com o auxílio de um pequeno motor, que vibrava, permitia um certo grau de movimentação a mesma.

Modelos de criação vertical também foram desenvolvidos com o intuito de economizar espaço e permitir a criação de rãs em áreas, inclusive, urbanas. Poucos criadores adotam estes modelos atualmente, em virtude do custo de aquisição e manutenção serem altos, e o manejo mais trabalhoso.

Recentemente estudos voltados à alimentação automática vêm apresentando bons resultados e tudo leva a crer que será o futuro do Setor de Engorda de rãs. Setor este que apresenta menor taxa de mortalidade, mas por englobar o período de maior crescimento do animal, é o mais importante dentro do planejamento econômico do ranário.

SAUDAÇÕES RANÍCOLAS!

 

Faça o download e confira o texto completo com todas as ilustrações. Clique aqui

 

Anterior
Próxima
Patrocínio do colunista Andre Muniz Afonso
Colunista
Capa do colunista Andre Muniz Afonso
Andre Muniz Afonso

Formado em Medicina Veterinária pela Universidade Federal Fluminense (UFF/2000), com mestrado em Medicina Veterinária (Área de concentração: Patologia e Reprodução Animal-UFF/2004) e doutorado em Medicina Veterinária (Área de concentração: Higiene Veterinária e Processamento Tecnológico de Produtos de Origem Animal-UFF/2016). Desde 2009 é professor da Universidade Federal do Paraná (UFPR), no Setor Palotina (Palotina/PR), sendo responsável pelas disciplinas de Tecnologia do Pescado, Ranicultura e Análise Sensorial de Alimentos e Bebidas, bem como pelo Laboratório de Ranicultura (LabRan-UFPR). Tem experiência na produção, beneficiamento, industrialização e sanidade de organismos aquáticos, tendo atuado em diversos órgãos voltados a esta temática. Atua principalmente nos seguintes temas: Processamento e Inspeção Higienicossanitária de Produtos de Origem Animal, Vigilância Sanitária, Aquicultura, Sanidade Aquícola e Extensão Rural.

Categorias
Charges
Capa quando o cão pastor é de um produtor de peixes
quando o cão pastor é de um produtor de peixes
Charge Edição nº 22 Publicado em 28/07/2021
Informativo

Assine nosso informativo para receber promoções, notícias e novidades por e-mail.

+55 (48) 9 9646-7200

contato@aquaculturebrasil.com

Av. Senador Gallotti, 329 - Mar Grosso
Laguna - SC, 88790-000

AQUACULTURE BRASIL LTDA ME
CNPJ 24.377.435/0001­18

Top

Preencha todos os campos obrigatórios.

No momento não conseguimos enviar seu e-mail, você pode mandar mensagem diretamente para contato@aquaculturebrasil.com.

Contato enviado com sucesso, em breve retornamos.

Preencha todos os campos obrigatórios.

Preencha todos os campos obrigatórios.

Você será redirecionado em alguns segundos!