Principal Ricardo Vieira Rodrigues

Ricardo Vieira Rodrigues

Como avaliar a qualidade das desovas de peixes marinhos pelágicos de desovas múltiplas

Ricardo Vieira Rodrigues 0
0
Recentemente em uma rede de pesquisa com vários pesquisadores de renome Iberoamericanos (LARVAPlus) surgiu uma pergunta “aparentemete simples” e que deu origem ao tema dessa coluna. Quais são os critérios para avaliar a qualidade dos ovos de peixes marinhos com ovos pelágicos de desovas múltiplas? Logo acima chamei esta pergunta de aparentemente simples, pois qualquer […]

Brasil X México

Ricardo Vieira Rodrigues 0
0
Em novembro de 2017 tive a oportunidade de participar do Congresso Latino Americano de Aquicultura (LACQUA), realizado na cidade de Mazatlán, no México. Na ocasião, pude conversar com vários colegas Latino-americanos e visualizar o que vem sendo realizado a nível de piscicultura marinha. Foram poucas as apresentações sobre a temática, mas me impressionou o que […]

O que sabemos sobre a produção do linguado Paralichthys orbignyanus?

Ricardo Vieira Rodrigues 0
0
Diversas espécies de linguado são produzidas comercialmente a nível mundial. Na Ásia temos o linguado japonês Paralichthys olivaceus, na Europa os linguados Scophtalmus maximus e Solea senegalensis, na América do Norte os linguados Paralichthys lethostigma e Paralichthys dentatus. Destas 5 espécies citadas, 3 são do gênero Paralichthys, o mesmo da espécie estudada para produção aqui […]

A importância do zooplâncton na larvicultura de peixes marinhos

Ricardo Vieira Rodrigues 0
0
A larvicultura de peixes marinhos é um dos principais gargalos para a produção em larga escala de juvenis, e isso é devido ao diminuto tamanho das larvas. A grande maioria das espécies de peixes marinhos produzidas são desovantes pelágicos e as larvas são altriciais com tamanho geralmente inferior a 2mm. O primeiro alimento dessas larvas […]

Produção do neon gobie Elacatinus figaro

Ricardo Vieira Rodrigues 0
0
Nas últimas duas colunas publicadas nas edições anteriores da Revista Aquaculture Brasil, abordei o tema “Piscicultura Ornamental Marinha”. Nesta edição comentarei sobre a produção do neon gobie Elacatinus figaro. Essa espécie é endêmica do litoral brasileiro, com distribuição do Ceará até Santa Catarina.

Produção do Peixe Palhaço Amphiprion Sp.

Ricardo Vieira Rodrigues 0
0
Na edição passada da Aquaculture Brasil quando escrevi sobre produção de peixes marinhos, coincidentemente foi publicada a matéria “Desenvolvimento de tecnologia para produção de peixes ornamentais marinhos no LAPOM/UFSC” de autoria de Ozório e colaboradores. A matéria e a edição trazem aspectos muito semelhantes sobre os peixes ornamentais marinhos (mais detalhes nas páginas 48-51 da […]

Produção de Peixes Ornamentais Marinhos – Existe Muito a ser Explorado no Brasil

Ricardo Vieira Rodrigues 0
0
A aquariofilia vem crescendo bastante a nível mundial, o que impulsionou o interesse pela produção dos organismos com potencial para esse mercado. Certamente um ramo da aquicultura ornamental que tem se destacado é o dos peixes marinhos. Assim sendo, os brasileiros também abriram os olhos para esse mercado e na última década muitos estudos vêm […]

Porque a piscicultura marinha produz apenas espécies carnívoras?

Ricardo Vieira Rodrigues 0
0
O que podemos observar é que a piscicultura marinha de peixes de corte a nível mundial é basicamente direcionada para espécies carnívoras. Como exemplo temos o salmão, as diversas espécies de linguado e mais recentemente o bijupirá e o atum. Diferentemente, na piscicultura dulcícola o que podemos observar é a grande dominação e expansão da […]

Como impulsionar o desenvolvimento da piscicultura marinha no Brasil?

Ricardo Vieira Rodrigues 0
0
Nessa edição meu objetivo é comentar alguns aspectos que devem ser trabalhados para o desenvolvimento da piscicultura marinha no Brasil. Dentre as dificuldades do desenvolvimento da atividade posso citar a ausência de instituições de ensino devidamente equipadas. Atualmente no Brasil existem pouquíssimas instituições de ensino que possuem setores que abordam a atividade de uma forma […]