Principal Notícias Cultivo de Algas Luz solar, água do mar e vento: uma receita simples para um ambicioso produtor de algas

Luz solar, água do mar e vento: uma receita simples para um ambicioso produtor de algas

Luz solar, água do mar e vento: uma receita simples para um ambicioso produtor de algas
0

A jovem empresa Susewi tem uma grande ambição: tornar-se a maior produtora mundial de biomassa de algas. E, após recentes testes em escala comercial no Marrocos, a empresa parece estar no caminho certo.

As microalgas são as plantas aquáticas de crescimento mais rápido, mais produtivas e mais nutritivas. Podem ser usadas para aplicações em alimentos, rações, fertilizantes, produtos químicos e farmacêuticos. Inicialmente, estão concentrando a produção de microalgas ricas em proteínas, na forma de uma refeição seca, como uma alternativa escalável e sustentável à farinha de peixe.

Desenvolveram uma tecnologia que permite recriar as condições naturais de crescimento das algas com quantidades mínimas de energia renovável. Os únicos elementos que usam na produção são luz solar, água do mar e vento (dióxido de carbono atmosférico). O projeto tem a proposição de ser flexível, com a capacidade de cultivar várias espécies para múltiplas aplicações, em diferentes tanques.

O sistema replica florações de algas naturais e benéficas, que são a base da cadeia alimentar marinha, e utiliza as mais adequadas para explorar o ambiente local. Já conseguiram mostrar que o processo é bem-sucedido em todos os climas e em todas as estações.

Já construíram 3.500 hectares e Marrocos está fornecendo apoio com 6.000 hectares alocados ao projeto, o que permitirá produzir 60.000 toneladas de microalgas por ano. Isso é três vezes mais microalgas do que a produção total do mundo em 2018.

Realizaram teste em dietas com a substituição da farinha de peixe pelas algas produzidas pela empresa, e os resultados mostram um excelente perfil nutricional, prontamente aceitas por trutas e salmões. Os animais tiveram um bom crescimento, e não demonstraram impactos negativos na saúde.

Fonte: Global Aquaculture Alliance