Principal Colunas Sistemas de Recirculação no Chile

Sistemas de Recirculação no Chile

Sistemas de Recirculação no Chile
0

Entre os dias 17 e 20 de outubro de 2018, ocorreu em Puerto Montt, Chile, a 10º Edição da Feira Aquasur. Assim como no Brasil temos a FENACAM voltada principalmente para a indústria do camarão, a Aquasur, tem como foco principal a indústria de produção de salmão chilena, localizada nessa região. Essa é a segunda vez que vou ao evento e dessa vez, tive a oportunidade de realizar visitas técnicas em algumas instalações de produção de salmão que são o estado da arte em sistemas de recirculação, automação e operação de instalações de aquicultura em terra.

A produção de salmão é dividida em duas fases. Na primeira, que vai da fertilização dos ovos até quando os animais atingem cerca de 250 g, chamados de smolts, ocorre em água doce. Na segunda fase, os smolts são transferidos para engorda em água marinha, que é feita em tanques-rede no mar. Na primeira fase, para otimizar o tempo de produção, evitar a entrada de parasitas e patógenos, minimizar o consumo e a interferência de qualidade de água de captação e em virtude da dependência climática, as empresas tem passado a utilizar sistemas de recirculação de água.

 

 

Os sistemas de recirculação das empresas que visitamos eram compostos basicamente por: filtros de tambores rotativos para a remoção de partículas sólidas, filtros biológicos submersos, torre de desgaseificação, desinfecção por ultra-violeta e ozônio e oxigenação a partir de O2 puro, injetado na linha de retorno. Muitos desses temas já abordados nessa coluna.

Uma das empresas que visitamos, a Cermaq, possui um sistema para juvenis composto por 20 tanques de 250 m3 cada. Nele, são estocados animais que chegam com 5 g até atingirem 250 g, operando a densidades de estocagem que alcançam 60 Kg/m3. A operação dos sistemas dessa e de outras duas sedes da empresa, são controladas remotamente através de uma única central, o que facilita a padronização de processos, protocolos e utilização de menos mão de obra.

Concluindo, o que vimos foi a operação de uma aquicultura que, para conseguir continuar produzindo, nas últimas décadas precisou se estruturar e se adequar a novas normas ambientais, ao surgimento de patógenos e a um mercado bastante competitivo. Fica a lição aprendida com a Aquicultura Chilena.

 

Faça o download em PDF da coluna: clique aqui