Principal Notícias Cultivo de Camarões Resíduo de camarão pode ser usado para tratamento de água

Resíduo de camarão pode ser usado para tratamento de água

Resíduo de camarão pode ser usado para tratamento de água
0

Com o exoesqueleto do camarão podem ser feitos bioadsorventes que são partículas que retêm poluentes das águas

A Universidade de Cartagena, na Espanha, está promovendo um projeto de pesquisa para dar uso ao resíduos de camarão. Ángel González Delgado, professor de engenharia química da Unicartagena, e líder dessa iniciativa, explica a importância do estudo, uma vez que o exoesqueleto de camarão tem o potencial de gerar produtos alto valor agregado e que é descartado pelas indústrias processadoras.

“O exoesqueleto que chega até nós não tem valor algum, mas podemos obter um produto comercial que é da ordem de 35 mil dólares por tonelada. Então, se você ver a diferença entre matéria-prima recebida e produto final, sabe que vale a pena fazer uma pesquisa sobre isso. Obviamente, são necessários vários passos: você tem que experimentar diferentes solventes, temperaturas, pressões. É tudo experimental, mas sabemos de sua importância “, disse o professor.

Entre outros usos, o Professor González adverte que esse  tratamento de  resíduos pode ser usado para a remoção de hidrocarbonetos das águas costeiras do país, porque o exoesqueleto de camarão é uma fonte de bioadsorventes modificados com nanopartículas. Estes bioadsorventes que aprisionam os poluentes das águas, são obtidos a partir de quitosana, que por sua vez é extraída dos exoesqueletos de camarões.

Uma das fases do projeto também prevê avaliações que permitem analisar a viabilidade comercial e desempenho ambiental das tecnologias selecionadas.

Segundo a pesquisa, 57.000 toneladas por ano de exoesqueleto de camarão produzem 12.152 toneladas por ano de quitosana, e cada quilo de quitosana tem um valor de 35 dólares.

O camarão é um produto de alto consumo, sendo assim, são recorrentes os problemas ambientais causados pelos resíduos das indústrias descartados de forma incorreta. A casca do camarão é um material insolúvel e de difícil decomposição, portanto a pesquisa da Universidade de Cartagena é de importância tanto nacional quanto internacional.

Na Universidade do Estado de Santa Catarina, UDESC, experimentos similares estão sendo feitos com cascas de siri-azul, Callinectes spp. Os protocolos para obtenção de quitina a partir das carapaças, e posterior conversão em quitosana estão otimizados. Os testes seguem com a capacidade de adsorção dos materiais obtidos, inicialmente em metais pesados.

De acordo com os estudos realizados nesse Laboratório, os processos de obtenção e conversão da quitosana são viáveis economicamente, resta testar a viabilidade da aplicação no tratamento de resíduos de empresas e recuperação de ambientes degradados.

Fonte: Caracol

Imagem © Beatriz Bortolato – UDESC