Principal Artigos Soft crab a partir do Callinectes sapidus: uma oportunidade de mercado

Soft crab a partir do Callinectes sapidus: uma oportunidade de mercado

Soft crab a partir do Callinectes sapidus: uma oportunidade de mercado
0

Alex Augusto Gonçalves
Chefe do Laboratório de Tecnologia e Controle de Qualidade do Pescado (LAPESC), Departamento de Ciências Animais (DCAN)
Universidade Federal Rural do Semi-Árido (UFERSA)
alaugo@gmail.com

Introdução

Os crustáceos são cobertos por um rígido exoesqueleto, ou cutícula, que consiste num complexo quitina–proteína impregnada por cálcio, que age como uma barreira física ao meio ambiente, e para o animal crescer, é necessária a troca deste exoesqueleto. A ecdise, ou seja, a troca do exoesqueleto é feita periodicamente durante a vida da maioria dos artrópodes, incluindo os crustáceos. O período de uma ecdise à outra é conhecido como ciclo de muda. [28]

O portunídeo, Callinectes sapidus, conhecido vulgarmente por siri-azul (Figura 1), é um crustáceo de grande importância comercial, ocorrendo desde a nova Escócia (EUA) até o Rio da Prata (Uruguai) e o norte da Argentina. [3, 14, 20, 23, 25, 35] Como todos os crustáceos, o siri-azul troca seu exoesqueleto pelo menos 18-20 vezes (fêmeas) e de 20-25 vezes (machos) ao longo de sua vida para crescer. O siri mole desprotegido, emerge, expande sua nova carapaça mole, e cresce dentro seu novo corpo. Este momento em que o siri emerge da sua antiga carapaça é conhecido como soft shelled crab ou soft shell crab ou, mais simplificado, soft crab (siri mole). [8, 15,21, 22, 30]

figura-1-artigos-aquaculture-brasil

Figura 1. Siri-azul, Callinectes sapidus (www.paleospirit.com).

A facilidade relativa com que os siris podem trocar de exoesqueleto e o alto valor comercial do siri mole tem aumentado significativamente o interesse da produção mundial de soft crab. [22] O método convencional da retirada de carne do siri apresenta um baixo rendimento: 10-15% de carne fresca. A partir do soft crab pode-se conseguir até 85-95% de aproveitamento da carne e por este motivo seu cultivo vem crescendo desde a década passada. A produção e comercialização de soft crab (por exemplo, empanado) estão se tornando significativas no comércio mundial de pescado. [22, 23]

 

Sistemas de cultivo do siri mole

Para a produção do soft crab deve-se tomar cuidado com o adequado suprimento de siris, todos no estágio de pré-muda, com o método de captura, sendo que um sem o outro poderá limitar a produção. Os siris são coletados em diferentes locais, separados por sexo (as fêmeas são descartadas) e transportados para os tanques de cultivo. Nesta etapa, os siris são separados manualmente, de acordo com o estágio de muda (Figura 2, 4) e colocados nos tanques até o momento da ecdise (muda). [9, 15, 18, 21, 33]

figura-2-artigos-aquaculture-brasil

Figura 2. Coleta do siri azul – separação por sexo – identificação do estágio de muda [7].

São utilizadas, hoje em dia, três diferentes maneiras de cultivo: gaiolas flutuantes (pouco utilizada), sistema aberto com fluxo contínuo de água, e sistema de circulação fechada de água (Figura 3). O sistema mais utilizado é o de circulação fechada oferecendo vantagens sobre os demais com relação ao monitoramento dos fatores ambientais: a salinidade pode ser mantida a níveis constantes; a temperatura pode ser controlada nas diversas estações do ano; pode ser utilizada em qualquer local; etc. [7,22,31]

figura-3-artigos-aquaculture-brasil

Figura 3. Sistemas de cultivo de soft crab [7].

Entretanto, o custo de construção e manutenção do sistema fechado de água pode ser grande. Além da necessidade do controle dos resíduos tóxicos liberados pelos siris [16,17,32]. O sistema de circulação fechada deve manter a qualidade da água em níveis aceitáveis (Tabela 1) para que a operação de cultivo de soft crab seja feita com sucesso. [9,10,11,15,21,24,33]

tabela-1

Tabela 1. Níveis aceitáveis da qualidade de água no sistema de recirculação fechada de água para o cultivo de soft crab. [11,12,13,22]

 

Identificação do estágio de muda

¬Os siris azuis na pré-muda podem ser identificados por inspeção visual. O método mais utilizado envolve uma mudança de coloração associada à formação de uma nova carapaça. Estas mudanças de coloração também indicam o tempo até a muda. Assim que a muda se aproxima, o novo exoesqueleto do siri começa a se formar e torna-se visível por baixo do exoesqueleto duro. Este novo exoesqueleto é mais visível, com uma linha (sinal) ao longo da extremidade dos últimos dois segmentos achatados do último pereiópode, em forma de remo largo (Figura 4).[21,22]

figura-4-artigos-aquaculture-brasil

Figura 4. Identificação do estágio de muda através do sinal de mudança de cor (Sequência da esquerda para direita: mid-cycle, white sign, pink sign e red sign).

Nos estágios que precedem a muda, a linha é branca, indicando que o siri mudará em duas semanas. Com o tempo de muda mais próximo, a linha indicadora mudará de cor gradualmente, sendo que a linha rósea indica que o siri mudará em uma semana; e a linha avermelhada, indica que o siri mudará em três dias. [7,22,30]

O último estágio da pré-muda é reconhecido pela condição física do exoesqueleto duro e não por um sinal colorido. Uma ruptura desenvolve-se por baixo dos espinhos laterais e ao longo da extremidade posterior da carapaça. Neste ponto, o siri é denominado buster e inicia-se a muda propriamente dita, que pode ser completada em 2-3 horas, dependendo das condições do siri. Assim que a ecdise tenha iniciado, 15 a 30 minutos são necessários para sair de sua antiga carapaça. Neste ponto, o siri é extremamente mole e frágil (Figura 5).

figura-5-artigos-aquaculture-brasil

Figura 5. Sequência do processo de muda (http://azharzul.com/auuww-ketam-lembut.html).

Outros 30-60 minutos são requeridos para o soft crab expandir ao máximo, ou seja, o siri absorve água (incha) para aumentar de tamanho. Após atingir seu novo tamanho inicia-se o enrijecimento, sendo que sua nova carapaça se tornará rígida em 12 horas. O siri então começa a comer e adicionar peso dentro da nova carapaça. Entretanto, uma vez removido da água, o processo de enrijecimento cessa, devendo ser retirado em uma hora após a absorção de água e após a completa expansão. Caso contrário, o processo de enrijecimento continua, causando danos à qualidade do soft crab. [7,22,30]

 

Produção e mercado

Os soft crabs são considerados como um item alimentar altamente valioso e, com isso, o desenvolvimento de tecnologias de cultivo, com sucesso, tem encorajado a expansão desta indústria. Muitos dos estados americanos localizados na costa do Atlântico Sul e Golfo do México expandiram o cultivo de soft crab devido ao retorno econômico, à grande demanda e o esforço promocional do mesmo. [21,22,27]

A indústria do soft crab iniciou-se em Cristfield, Maryland (EUA) no ano de 1870, e atualmente é uma indústria multimilionária ao longo da costa leste dos EUA (da Baía de Chesapeake até Texas), fornecendo milhões de toneladas de soft crab e ainda milhões de dólares para os criadores a cada ano, sendo que Maryland, Virginia e Louisiana são os maiores produtores. [2,21,22,32]

A produção comercial de soft crab no mercado nacional não existe, talvez pela falta de mão-de-obra especializada e/ou a falta de interesse por parte das indústrias processadoras de pescado. Alguns empreendimentos iniciaram já na década de 90, porém, experimentalmente. Em 1989, Michael J. Osterling [18,20] visitou o sul do Brasil, para avaliar o potencial das regiões ao redor da Lagoa dos Patos e sistemas lagunares, para o estabelecimento de uma pesca direcionada ao siri-azul (C. sapidus). Este concluiu que deveria ser dada maior ênfase no desenvolvimento da indústria de carne de siri tradicional, por ser mais fácil e exigir pessoas sem experiência e, posteriormente a produção de soft crab, que requer mais experiência e treinamento na coleta, manuseio e durante a muda do siri. Algumas iniciativas de processar carne de siri foram feitas no início da década de 90, mas hoje o cenário é outro.

 

Processamento

Os siris azuis são comercializados de cinco formas: fresco inteiro, cozidos inteiros, carne fresca picada, carne pasteurizada picada e na forma do soft crab. [29,34] Os soft crab são removidos do tanque de cultivo, limpos individualmente (Figura. 6), sendo que o fronte (rostrum), as brânquias, os pedúnculos oculares, os fluidos estomacais e do intestino, e o abdômen, devem ser retirados antes de embalados e acondicionados em freezer. [22,26,29] O soft crab destinado à exportação (vivos) deve ser apenas resfriado, embalado sob refrigeração (gelo), coberto com algas marinhas, e comercializado.

figura-6-artigos-aquaculture-brasil

Figura 6. Limpeza do soft crab (retirada do rostrum, das brânquias e do abdômen) antes de ser embalado. [7]

O processamento tradicional do siri azul envolve a retirada da carne manualmente, além de necessitar cuidados higiênico-sanitários, o rendimento é muito baixo (10-15%). A carne é vendida fresca ou congelada, e pasteurizada, para aumentar sua vida-de-prateleira. Com isso, a comercialização deste produto pode ser feita durante 6 a 12 meses. As pinças ou quelas dos siris devem ser picadas manualmente ou por máquinas, embaladas e vendidas frescas ou pasteurizadas. [23,29,34]

O siri azul nunca é consumido fresco, cru (in natura), pois carrega muitas bactérias na cavidade visceral, podendo causar doenças ao homem, quando consumido sem um tratamento térmico (cozimento prévio). Deve haver cuidados especiais durante o processamento do siri: (a) condições sanitárias no setor de retirada da carne; (b) o processo de cozimento e pasteurização; (c) integridade da embalagem; (d) controle de tempo/temperatura. [23,29,34] Indústrias comerciais de “carne de siri” contam com 10-15% de rendimento, sendo que os demais 85-90% (carapaça, víscera e carne não picada) são moídos e adicionados ao alimento (ração animal). [7]

 

Valor nutricional

A carne de siri tem aproximadamente 80% de umidade, 16% de proteína e há poucos dados publicados dos constituintes nutricionais de soft crabs, mas sabe-se que o conteúdo de proteína destes (Tabela 2) é menor do que o hard crab, devido a pequena proporção de tecidos musculares. A perda de proteína é balanceada pelo aumento do conteúdo de água, a qual é ativamente absorvida para a expansão na nova muda. Há também mais cinzas resultante da alta proporção de tecido destinado a elaboração do novo exoesqueleto. Quanto ao conteúdo lipídico, não há diferença significativa. [24]

tabela-2

 

Marketing e consumo do soft crab

O soft crab, da mesma maneira que muitos outros produtos marinhos são comercializados por dúzias, e não pelo peso, e ainda são distribuídos por tamanho. Nomes tradicionais são designados de acordo com os diferentes tamanhos: Mediums (8,9-10,2 cm); Hotels (10,2-11,4 cm); Primes (11,4-12,7 cm); Jumbos (12,7-14 cm); e Whales (>14 cm). Os mais comercializados são os mediums e hotels. [5,21,22]

Enquanto que os soft crabs têm sido comercializados tradicionalmente pelo tamanho, há um grande interesse em comercializá-los pelo peso. Da mesma maneira temos: Mediums (34,02-53,87 g); Hotels (53,87-73-71 g); Primes (73,71-85-05 g); Jumbos (110,57-150,26 g); e Whales (superior a 150,26g). [22]

figura-7-artigos-aquaculture-brasil

Os soft crabs vivos estão associados ao seu grau de frescor, e com isso o produto vivo tem alto preço, o que tem levado ao aumento desse tipo de comercialização. Se mantido sob-refrigeração (4,4°C), possui uma vida-de-prateleira de aproximadamente 7 dias. Entretanto, como o pico de produção de soft crabs é determinado pela estação do ano (primavera-verão), a necessidade de preservar este produto tem levado à comercialização de outras formas, sendo o congelado (-17,7°C) o mais utilizado, pois mantém sua qualidade por 6-8 meses, sendo que a embalagem, a limpeza e o congelamento individual determinarão sua qualidade. [19,21,22,30] A prática comum do varejo é estocar o soft crab pré-embalado congelado (-18°C) ou fresco (4,2°C).

Podem ser processados de diversas maneiras, tais como: empanado e frito, temperado e cozido, e na forma de bolinhos com os soft crabs danificados fisicamente (Figura 8), dentre outros. [4]

figura-8-artigos-aquaculture-brasil

Figura 8. Algumas formas de preparo do soft crab.

 

Conclusões

O siri azul (Callinectes sapidus) é um crustáceo de grande importância comercial, porém em sua forma fresca (hard crab) apresenta baixo rendimento, pelo método convencional de aproveitamento da carne (apenas 15 a 30%), enquanto que com o soft crab pode-se conseguir até 85 a 95% de rendimento.

A captura do soft crab poderá representar uma importante fonte de recursos extras para o setor pesqueiro, desde que se respeite a época de captura da espécie.

O sistema de cultivo mais indicado é o de circulação fechada de água, oferecendo algumas vantagens com relação aos fatores ambientais: a salinidade pode ser mantida a níveis constantes; a temperatura pode ser controlada nas diversas estações do ano; pode ser utilizada em qualquer local; dentre outras.

Existe um mercado no exterior para este produto e a produção mundial está em plena expansão devido à facilidade de obtenção, à grande demanda e, principalmente ao retorno econômico.

A produção nacional de soft crab ainda que artesanalmente (não existe comercialmente), talvez pela falta de mão-de-obra especializada e/ou a falta de mercado consumidor e interesse por parte das indústrias processadoras de pescado, pode se tornar promissora, principalmente pelas vantagens oferecidas pelo cultivo, processamento e comercialização deste crustáceo.

Referências bibliográficas
1. BLUE CRAB INFO – Blue Crab Archives. Disponível em: http://www.bluecrab.info/
2. CAFFEY, R.H. et al. The Louisiana soft-shelled crab industry: A profile. Baton Rouge (USA): Louisiana Sea Grant College Program, 1993.
3. CASTRO, K.M. et al. Resource assessment of portunid crabs in Ecuador. Canada: J. Shellfish Res., 7(3): 413-419, 1988.
4. CONWAY, T.; HALTAMAN, C. Handy soft shell crabs. Crisfield, (USA): John T. Handy Co. Inc., 1996.
5. DU PAUL, W.D. The development of an export market for soft crabs: Japan. In: National Symposium on the Soft-Shelled Blue Crab Fishery (Perry, H. M. & Malone, R.F. eds.), Gloucester Point (USA),1985.
6. FREEMAN, J.A.; PERRY, H.M. The crustacean molt cycle and hormonal regulation: Its importance in soft shell blue crab production. In: National Symposium on the Soft-Shelled Blue Crab Fishery (Perry, H.M. & Malone, R.F. eds.), Gloucester Point (USA), 1985.
7. GONÇALVES, A. A. Utilização de siri mole: uma oportunidade. Revista Aquicultura & Pesca, 32: 36-42, 2008.
8. HALL-JÚNIOR, W. R. Delaware’s blue crab. Marine Advisory Service Bulletin, Delaware (USA), 1989.
9. HOCHHEIMER, J. Water quality conversation tables for soft crabbing. Crab Shedders Workbook Series, Maryland (USA), 1: 1-7, 1985.
10. HOCHHEIMER, J. Water quality in crab shedding – Part I. What is good water quality? Maryland Sea Grant Extension Program, The Shedder, Maryland (USA), 1(1): 1-4, 1985.
11. HOCHHEIMER, J. Water quality in crab shedding – Part II. Optimal ranges for good water quality. The Shedder, Maryland (USA), 2(1): 1-6, 1986.
12. HOCHHEIMER, J. Water quality in soft crab shedding. Crab Shedders Workbook Series, Maryland (USA), 2: 1-6, 1988(a)
13. HOCHHEIMER, J. Diluting water quality samples for soft crab shedding. Crab Shedders Workbook Series, Maryland (USA), 3: 1-3, 1988(a).
14. HORST, J. Soft-Shelled crab production: Options and Opportunities. Baton Rouge (USA): Louisiana Sea Grant College Program, 1992.
15. MALONE, R.F.; BURDEN, D.G. Design of recirculating blue crab shedding systems. Baton Rouge (USA): Louisiana Sea Grant College Program, 1988.
16. MALONE, R. F.; MANTHE, D. P. Chemical addition for accelerated nitrification of biological filters in closed blue crab shedding systems. In: National Symposium on the Soft-Shelled Blue Crab Fishery (Perry, H.M. & Malone, R.F. eds.), Gloucester Point (USA), 1985.
17. MANTHE, D.P.et al. Elimination of oxygen deficiencies associated with submerged rock filters used in closed recirculating aquaculture systems. In: National Symposium on the Soft-Shelled Blue Crab Fishery (Perry, H.M. & Malone, R.F. eds.), Gloucester Point (USA), 1985.
18. OESTERLING. M.J. Mortalities in the soft crab Industry: Sources and Solutions. Gloucester Point (USA), Virginia Sea Grant Marine Resource Advisory, no 6, 1982.
19. OESTERLING. M.J. Succulent Seafare… The Soft-Shell Crab. Gloucester Point (USA), Virginia Sea Grant Marine Resource Advisory, no 7, 1983.
20. OESTERLING. M.J. Brazilian crab fishery evaluation. Gloucester Point (USA), Personal Communication, 1989.
21. OESTERLING. M.J. Callinectes sapidus, The soft shell blue crab. Gloucester Point (USA), VIMS, 1993.
22. OESTERLING. M.J. Manual for handling and shedding blue crabs (Callinectes sapidus). Gloucester Point (USA), Special Report in Applied Marine Science and Ocean Engineering, 271: 1-91, 1995.
23. OESTERLING, M.J.; PETROCCI, C. The crab industry in Venezuela, Ecuador and Mexico. Gloucester Point (USA), Virginia Sea Grant Marine Resource Advisory Program, n. 1, 1995.
24. OTWELL, W.S.; KOBURGER, J.A. Microbial and nutritional attributes of soft crabs. In: National Symposium on the Soft-Shelled Blue Crab Fishery (Perry, H.M. & Malone, R.F. eds.), Gloucester Point (USA), 1985.
25. PAUL, R.K.G. Observation on the ecology and distribuition of swimming crabs of the genus Callinectes (Decapoda, Brachyura, Portunidae) in the Gulf of California, Mexico. Crustaceana, 42(1): 96-100, 1982.
26. PETROCCI, C.; LIPTON, D. The Warmwater crab fishery in Asia: Implicationfor the Chesapeake Bay Blue Crab Industry. Gloucester Point (USA), Virginia Sea Grant Marine Resource Advisory Program, n. 49, 1994.
27. ROBERTS, K.J. Profitability components of closed blue crab shedding systems in the Gulf of Mexico. In: National Symposium on the Soft-Shelled Blue Crab Fishery (Perry, H.M. & Malone, R.F. eds.), Gloucester Point (USA), 1985.
28. RUPPET, E.D.; R.D. BARNES. Zoologia dos Invertebrados. 6ª Ed. Livraria Roca, 1029 p., 1996.
29. VIMS – Virginia Institute of Marine Science. Crab Processsing. Gloucester Point (USA): Virginia Marine Resource Bulletin, 24(3/4): 12-14, 1992.
30. WESCOTT, W. A guide to soft shell crabbing. Raleigh (USA): UNC Sea Grant College Publication, 1: 1-32, 1984.
31. WESCOTT, W. Shedding soft crabs in a closed well water system. Raleigh (USA): BluePrints, no1, 1988.
32. WESCOTT, W. Improved flow-through shedding using sand filtration. Raleigh (USA): BluePrints, no 2, 1991.
33. WHEATON, F. Design considerations in marine aquaculture systems. In: National Symposium on the Soft-Shelled Blue Crab Fishery (Perry, H.M. & Malone, R.F.eds.), Gloucester Point (USA), 1985.
34. WHEATON, F.W. & LAWSON, T.B. Processing aquatic food products. New York: John Wiley & Sons, inc., 1985.
35. WILLIAMS, A. B. The swimming crabs of the genus Callinectes (Decapoda: Portunidae). Seattle (USA): Fishery Bulletin, 72(3): 685-798, 1974.

tags: