Principal Artigos Dez anos da tilápia GIFT no Brasil

Dez anos da tilápia GIFT no Brasil

Dez anos da tilápia GIFT no Brasil
0

Ricardo Pereira Ribeiro*, Lauro Vargas & Carlos Antonio Lopes De Oliveira
Departamento e Zootecnia, Universidade Estadual e Maringá (UEM), Maringá, PR
*rpribeiro@uem.br

O cultivo de espécies do grupo das tilápia é realizado no Brasil desde a década de 1950, com a introdução de tilápias em represas hidroelétricas para controle de macrófitas. Porém, décadas mais tarde, verificou-se o potencial produtivo destas espécies, sendo esta utilizada atualmente para produção de proteína animal de alta qualidade com alto valor agregado.

Das espécies de tilápias a mais utilizada no Brasil é a Oreochromis niloticus, ou tilápia do Nilo, introduzida inicialmente no Nordeste do Brasil em 1971, originalmente da Costa do Marfim. Estes animais foram utilizados como reprodutores pelo Departamento Nacional de Obras contra à seca. A partir daí, outros grupos de animais foram introduzidos no Brasil, especialmente no final do século passado e início deste. Entre elas, a variedade GIFT (sigla do nome em inglês Genetically Improved Farmed Tilapia) foi introduzida no Brasil em março de 2005, pela Universidade Estadual de Maringá com apoio da extinta Secretaria Especial de Aquicultura e Pesca (SEAP). Os animais foram doados pelo WorldFish Center localizado em Penang – Malásia, por intermédio do Dr. Raul Ponzoni, responsável, na época, pelo programa de melhoramento da tilápia GIFT.

Desde então, a Universidade Estadual de Maringá conduz um programa de melhoramento genético de tilápias do Nilo, cujo objetivo de seleção é aumentar a velocidade de crescimento dos animais, gerando indivíduos que atinjam o peso de abate mais rapidamente.

Para tanto, foi elencado o peso corporal, como critério de seleção inicial e, após 2009, o ganho em peso diário, medido pela razão do peso corporal pela idade do animal à medida.

Foram recebidos 600 animais de 30 diferentes famílias da variedade GIFT do programa de melhoramento genético praticado no WorldFish Center desde de 1988. Estes animais embarcaram no dia 15 de março de 2005 em Penang para Kuala Lumpur – Malásia, depois de Kuala Lumpur para Joanesburgo – África do Sul, e após permanecerem retidos por 24 horas embarcaram em Joanesburgo com destino a Guarulhos – Brasil. Os animais foram recebidos pelos Professores Ricardo Pereira Ribeiro e Lauro Vargas e o auxiliar de campo, José Geraldo, da Universidade Estadual de Maringá. O trajeto Guarulhos – Maringá foi feito em veículo da Universidade Estadual de Maringá.

Após uma viagem que durou 96 horas, desde Penang até a estação de piscicultura UEM-CODAPAR no distrito de Floriano em Maringá, foi observado a sobrevivência 83,5% dos animais embarcados na origem, a mortalidade não comprometeu o número de famílias original. Após os despachos necessários junto às autoridades aduaneiras, os animais foram transportados até as instalações da Universidade Estadual de Maringá, em parceria com a CODAPAR no distrito de Floriano, município de Maringá – PR, onde foram alojados em estufas, e mantidos em quarentena de acordo com regulamentação do Ministério da Agricultura (Figura 1).

Figura 1. Fotos do transporte dos animais Guarulhos – Maringá, do alojamento em estufas e da primeira biometria. © Ricardo Ribeiro.

Figura 1. Fotos do transporte dos animais Guarulhos – Maringá, do alojamento em estufas e da primeira biometria. © Ricardo Ribeiro.

Após atingirem peso suficiente para realização da sexagem, os animais foram divididos em grupos de machos e fêmeas dentro das famílias e foram realizados os primeiros acasalamentos gerando a primeira geração de animais GIFT reproduzidos no Brasil.

Foram geradas 33 famílias diferentes, estes animais foram avaliados em viveiros escavados na própria Estação de Piscicultura (Figura 2).

Após a avaliação, foram selecionados os melhores animais para gerarem a segunda geração, os acasalamentos foram e continuam sendo conduzidos num sistema hierárquico com um macho para cada duas fêmeas/ ou três fêmeas, de maneira a otimizar o número de famílias a serem produzidas no núcleo de seleção. A criação da Unidade Demonstrativa de Produção em Tanques-rede no rio do Corvo, no município de Diamante do Norte, resultado de uma parceria entre a prefeitura municipal de Diamante do Norte e o Campus Regional de Noroeste da Universidade Estadual de Maringá, permitiu, a partir de 2008, a avaliação de desempenho em tanques-rede, sendo gerados até o momento 8 gerações avaliadas e em avaliação em tanques-rede (Figura 2).

Figura 2. Instalações da estação da piscicultura UEM-CODAPAR e Unidade Demonstrativa de Produção em Tanques-rede Universidade Estadual de Maringá. © Ricardo Ribeiro.

Figura 2. Instalações da estação da piscicultura UEM-CODAPAR e Unidade Demonstrativa de Produção em Tanques-rede Universidade Estadual de Maringá. © Ricardo Ribeiro.

As atividades de manutenção deste programa de melhoramento genético nos dois primeiros anos foram realizadas com o apoio financeiro da SEAP- PR, entre 2008 a 2012 o programa recebeu aporte financeiro do projeto Rede AQUABRASIL – Bases Tecnológicas para o Desenvolvimento Sustentável da Aquicultura no Brasil e atualmente se mantém graças ao esforço dos pesquisadores envolvidos e suporte de Universidade Estadual de Maringá e empresas parceiras de pesquisa.

O programa de melhoramento genético de tilápias do Nilo da Universidade Estadual de Maringá, desenvolve as atividades necessárias para que a cada ano uma nova geração de indivíduos seja avaliada e reproduzida.

Tais atividades são:

1 – Avaliação de desempenho (Tanques-rede com densidade de 75-100 kg/m³);
2 – Avaliação genética e seleção (São selecionados os melhores animais de cada família);
3 – Acasalamentos (Sistema hierárquico e coleta de ovos na boca);
4 – Incubação artificial (Incubadoras específicas para cada família);
5 – Larvicultura (Manutenção de cada grupos de irmãos separados);
6 – Identificação individual (representantes de cada família são identificados individualmente por meio de microchips).

 

Resultados obtidos do programa de melhoramento genético de tilápias – variedade GIFT no Brasil

Em dez anos de avaliação da tilápia GIFT no Brasil, sendo oito anos de avaliação em tanques rede, foram observados no núcleo de seleção de tilápias do programa de melhoramento genético da Universidade Estadual de Maringá, incrementos acumulados médios de mais 17% nas características relacionadas à velocidade de crescimento (peso à despesca e ganho em peso diário), mais de 14% no volume e de 9,5% na área do corpo dos animais avaliados, comparados aos animais que foram introduzidos. (figura 3)

Figura 3. Exemplar da variedade GIFT após anos de seleção no Brasil.

Figura 3. Exemplar da variedade GIFT após anos de seleção no Brasil.

Estes resultados estão associados a valores de herdabilidades das características que variaram de 0,24-0,25 e coeficiente de endogamia médio menor que 0,5% na última geração avaliada. Indicando que a variabilidade genética original está sendo mantida, a partir das práticas de acasalamentos realizadas anualmente e que os ganhos genéticos obtidos podem ser mantidos por várias gerações.

Em 2010, foi realizado um levantamento para identificar a abrangência de uso da variedade GIFT no estado do Paraná. Os resultados indicaram que 58% dos alevinocultores paranaenses usavam a variedade GIFT para produção de alevinos. A distribuição de matrizes GIFT pela Universidade Estadual de Maringá foi realizada de 2006 a 2012, atingindo alevinocultores dos estados de Minas Gerais, São Paulo, Paraná, Santa Catarina, Pernambuco, Mato Grosso e países como Cuba e Uruguai, sendo mais de 100 produtores atendidos. Hoje estima- se que a variedade GIFT e seus cruzamentos representam mais de 70% da produção de tilápias no Brasil.

Em função da reprodução acontecer nos meses mais quentes do ano, de outubro a fevereiro na região de Maringá, o período de avaliação de desempenho dos peixes têm coincidido com as estações mais frias do ano na região, período em que a temperatura da água pode atingir menos de 18° C e manter-se assim por períodos consideráveis. Dessa forma, os animais GIFT importados pela Universidade Estadual de Maringá foram desafiados a crescer em uma condição de temperatura da água muito diversa da original, os anos seguidos de seleção nestas condições resultaram em indivíduos adaptados a condições de cultivo em tanque-rede com baixas temperaturas (18°C a 22°C), com alta sobrevivência e crescimento neste período e que também têm elevado crescimento com a temperatura atingindo valores maiores a 28ºC, gerando dessa forma, um grupo de indivíduos aptos à produção em diversas condições cultivo.

Embora o processo de seleção tenha ocorrido em cultivos em tanques-rede, resultados de experimentos realizados na Universidade Estadual de Maringá e em parceira com outras instituições de pesquisa e empresas privadas, têm indicado que os animais selecionados se adaptam e produzem com alto desempenho em condições de cultivo em viveiros escavados e em outros sistemas de produção, não sendo verificado, até o momento, a necessidade de desenvolvimento de programas de melhoramento genético de tilápias do Nilo da variedade GIFT para viveiros ou sistemas de bioflocos (BFT).

Dentre os resultados produzidos pela introdução da variedade GIFT no Brasil e o desenvolvimento de ações relativas ao melhoramento genético destes animais em condições brasileiras de cultivo, podem ser citados dezenas de trabalhos de conclusão de curso, de iniciação científica, dissertações de mestrado e teses de doutorado desenvolvidas a partir dos dados gerados pelo programa de melhoramento genético de tilápias do Nilo da variedade GIFT, trabalhos desenvolvidos por alunos da Universidade Estadual de Maringá, especialmente do grupo de pesquisa PEIXEGEN e outras instituições parceiras. O modelo adotado pelo programa de melhoramento genético de tilápia do Nilo da variedade GIFT realizado na UEM, serviu de base técnica para as ações de melhoramento genético em espécies nativas realizadas no projeto AQUABRASIL proposto e financiado pela EMBRAPA e pelo extinto Ministério da Pesca e Aquicultura (MPA) realizado em parceria com várias instituições de pesquisa e ensino brasileiras.

Esta contribuição ocorreu e continua ocorrendo na formação de recursos humanos habilitados a implantarem e conduzirem programas de melhoramento genético, que atuam como professores e pesquisadores em instituições de ensino superior e de pesquisas brasileiras e em empresas privadas, promovendo o desenvolvimento da atividade aquícola brasileira.

A introdução da variedade GIFT de tilápia do Nilo no Brasil, em 2005, têm impactado o setor aquícola brasileiro, não apenas por uma ação pontual de disponibilização de material genético na tilapicultura brasileira, mas por permitir a implantação e manutenção de um programa de melhoramento genético de peixes com a mesma base científica utilizada em outras cadeias produtivas.

A avaliação da tilápia GIFT em condições brasileiras de cultivo permitiu a disponibilização ao setor produtivo de animais adaptados às nossas condições e com superioridade comprovada quanto à velocidade para atingir o peso de abate, podendo ser utilizados para redução do período de cultivo ou aumento do peso final sem incremento no período de produção.

Além disso, têm disponibilizado à comunidade científica e ao setor produtivo informações e recursos humanos capacitados na condução de programa de melhoramento genético de peixes, estimulando a implantação de empresas brasileiras que se dedicam ao melhoramento genético de peixes, algo estratégico para o desenvolvimento da piscicultura nacional.

Referências Bibliográficas:
Kunita, N., Oliveira, C., Oliveira, S., Yoshida, G., Rizzato, G., Resende, E. and Ribeiro, R. (2013) Avaliação genética de características morfométricas em tilápias do Nilo cultivadas. Archivos de zootecnia,62, 555-566.
Oliveira, C. A. L., Ribeiro, R. P., Yoshida, G. M., Kunita, N. M., Rizzato, G. S., de Oliveira, S. N., dos Santos, A. I. and Nguyen, N. H. (2016) Correlated changes in body shape after five generations of selection to improve growth rate in a breeding program for Nile tilapia Oreochromis niloticus in Brazil. Journal of applied genetics, 1-7.
Oliveira, C. A. L., Yoshida, G. M., de Oliveira, S. N., Kunita, N. M., dos Santos, A. I., Alexandre Filho, L. and Ribeiro, R. P. (2015) Avaliação genética de tilápias‑do‑nilo durante cinco anos de seleção. Pesquisa Agropecuária Brasileira,50, 871-877.
Reis Neto, R. V., Oliveira, C. A. L. d., Ribeiro, R. P., Freitas, R. T. F. d., Allaman, I. B. and Oliveira, S. N. d. (2014) Genetic parameters and trends of morphometric traits of GIFT tilapia under selection for weight gain. Scientia Agricola,71, 259-265.
Resende, E. K., de Oliveira, C. A. L. and Puchnick, A. (2007) Melhoramento animal no Brasil: uma visão crítica espécies aquáticas.
Resende, E. K. d. (2009) Research in network in aquaculture: technological basis for sustainable development of aquaculture in Brazil. Aquabrasil. Revista Brasileira de Zootecnia,38, 52-57.
Ribeiro, R. P. and Legat, A. P. (2008) Delineamento de programas de melhoramento genético de espécies aqüícolas no Brasil. Embrapa Meio-Norte.
Santos, A. I., Ribeiro, R. P., Vargas, L., Mora, F., Alexandre Filho, L., Fornari, D. C. and Oliveira, S. N. d. (2011) Bayesian genetic parameters for body weight and survival of Nile tilapia farmed in Brazil. Pesquisa Agropecuária Brasileira,46, 33-43.
Yoshida, G., Oliveira, C., Kunita, N., Oliveira, S., Alexandre Filho, L., Resende, E., Lopera-Barrero, N. and Ribeiro, R. (2013) Resposta à seleção de características de desempenho e morfométricas de tilápia-do-nilo ao longo do período de cultivo. Arq. bras. med. vet. zootec,65, 1815-1822.

tags: