Principal Notícias Cultivo de Camarões Cultivo de camarão marinho em água doce

Cultivo de camarão marinho em água doce

Cultivo de camarão marinho em água doce
0

Os camarões peneídeos têm parte do seu ciclo de vida associado aos estuários e manguezais e, por isto, toleram variações na salinidade do meio. Lógico, maior ou menor resistência a uma ampla variação dependerá da espécie.

No caso do Litopenaeus vannamei, principal espécie produzida no Brasil e no mundo, o seu cultivo é possível tanto em água doce como em águas bem salgadas (40-50 ppt). A eurihalinidade é uma das características que fazem a espécie ser considerada bastante “rústica”.

No desenvolvimento da carcinicultura marinha pelo mundo, enfermidades virais e especulação imobiliária forçaram produtores a buscarem novas áreas de produção. Com o tempo, novas fazendas foram surgindo cada vez mais longe do mar/estuários, até que as primeiras em água oligohalina e doce demostraram viabilidade técnico-econômica.

Por ser um animal osmorregulador, o camarão marinho necessita manter constantes suas concentrações plasmáticas de sais/íons, como o cloreto, sódio, sulfato, magnésio, cálcio e potássio. Em águas com baixas salinidades há uma tendência do animal em perder passivamente estes sais para a água, em especial via difusão branquial (há perdas também na urina e fezes). É preciso “tomar” estes sais novamente do meio.

O equilíbrio/relação entre estes diferentes sais, denominado de equilíbrio iônico ou balanço iônico é mais importante, inclusive do que a própria concentração total de sais. Vamos a um exemplo prático: é melhor o camarão estar numa salinidade de 1 ppt com um correto balanço entre aqueles seis principais íons, do que numa salinidade de 30 ppt formulada apenas com cloreto de sódio (NaCl).

cultivo-de-camarao-marinho-em-agua-doce-aquaculture-brasil-foto-conteudo

Figura 1. Camarões marinhos (Litopenaeus vannamei) cultivados em água doce (Fotos: Giovanni Mello)

A boa notícia é que, de fato, nem o próprio meio, que seria a água de cultivo, precisa ter estes sais disponíveis nas quantidades/concentrações necessárias. Geralmente a correção do meio é mais cara. Estes sais podem ser adicionados na dieta (via rações!). Ou seja, por exemplo, aquele íon potássio (K+) que o animal necessita, você incorpora na ração e está resolvido.

Outra questão importante são os níveis de dureza e a alcalinidade da água. Níveis considerados adequados para o L. vannamei estão em 60 mg/L de CaCO3 para a dureza e entre 100 a 140 mg/L de CaCO3 para a alcalinidade. Outra boa notícia é que você corrige estes parâmetros, por exemplo, com a adição da calcário dolomítico na água de cultivo.

Se você estiver buscando uma nova área para cultivo de vannamei, procure águas subterrâneas (ou de outra fonte) que tenham níveis próximos aos ideais de dureza e alcalinidade. Algumas águas de poço/ponteira são bastante duras, e isto vai facilitar bastante a sobrevivência e o crescimento dos animais.

Saiba mais sobre cultivo de camarões e também de tilápias no curso online “Policultivo de Tilápias e Camarões Marinhos”, oferecido exclusivamente pela AQUACULTURE BRASIL.